Neste terceiro debate, que aconteceu na Universidade de Lynn, em Boca Raton, Estado da Flórida (Sul), o presidente Obama sentou-se ao lado de Mitt Romney. O contraste não poderia ser mais claro. O tema que dominou todas as intervenções foi política externa e, claro, a questão do Oriente Médio e a disputa secular entre israelenses e palestinos. O ex-governador de Massachusetts começoou atacando o presidente por aquilo que ele viu como um “pedido de desculpas” de Obama aos países árabes e falta de firmeza em relação ao Irã. Obama, é claro, foi enfático em sua resposta: “Quando visitei Israel como candidato a presidente, visitei vários lugares sagrados da região, e também o Museu do Holocausto. Visitei lugares que foram atingidos por mísseis palestinos. Eu não visitei Israel para arrecadar fundos para minha campanha”, declarou. Romney, em certos momentos, estava visivelmente constrangido porque Obama manteve-se o tempo todo na ofensiva, e não caiu nas armadilhas do oponente que, em vários momentos, usou de meias verdades para buscar confundir a opinião pública americana. Nem mesmo quando o presidente foi pressionado por Romney para que explicasse o porque do Governo ter injetado milhões de dólares na indústria automobilística para salvar aquilo que os especialistas chamam de “backbone” (espinha dorsal) da economia norte-americana. Obama, de forma assertiva, disse que se dependesse de seu oponente a indústria entraria em bancarrota sem ajuda governamental, mesmo Romney sabendo que o setor privado não iria injetar recursos indispensáveis para salvar milhões de postos de trabalho. Para crédito de Romney, é verdade, ele citou a America Latina. E claro, não como um parceiro em igualdade, mas sim um mercado para ser explorado pelo “império” norte-americano. O ponto alto do debate ficou a cargo de Obama quando ele respondeu ao adversário, afirmando de forma irônica: “Você tem razão, a Marinha está bem menor hoje em dia. Mas, como você bem sabe, temos também menos baionetas e também menos cavalos. Não sei se você sabe, mas há porta-aviões para carregar aviões, há submarinos com capacidade nuclear. A maneira de lutar hoje em dia esta totalmente diferente de 1916". O público que estava assistindo ao debate nas dependências do Sindicado 32BJ, onde trabalho, aplaudia as intervenções e respostas do presidente. O consenso geral na platéia é que Obama continua seguindo firme no caminho da reeleição.

Edson Cadette