Gala de Cinema
Seu primeiro trabalho para cinema foi um filme chamado “Carbon Copy” (inédito no Brasil) em 1981. Em 1984 começou a despertar algum interesse em Hollywood após aparecer no filme A “Historia de Um Soldado”. Entretanto, Hollywood somente começou a prestar mais atenção a este jovem, bonito e talentoso ator negro depois que ele representou o ativista contra a segregação racial na África do Sul, Steve Biko, em 1986, no filme “Grito de Liberdade”.
Em 1989, recebeu seu primeiro Oscar como melhor ator coadjuvante no filme “Gloria”. Comparações com o grande ator Sidney Poitier começaram a surgir inevitavelmente. Neste importante trabalho, ele contracenou com o ótimo e sempre dependente ator negro Morgan Freeman e também com o ator Mathew Broderick.
Convidado pelo jovem diretor Spike Lee, em 1990, ele aparece no filme “Mo’ Better Blues” onde interpreta um musico de Jazz. Agora bem mais conhecido do público em geral, em 1991, ele atua no filme “Mississipi Masala”, uma historia romântica entre um negro americano e uma Índia no sul dos EUA.
Sua ascenção não pára e é novamente convidado pelo diretor Spike Lee para representar o ativista e lutador pelos diretos civis dos negros americanos Malcolm X. Por este trabalho ele foi indicado ao Oscar de melhor ator, mas Hollywood ainda não estava preparada para agraciar mais um ator negro com o Oscar de melhor ator. O primeiro foi dado para Sidney Poitier em 1963. Dizem que para o filme “O Dossiê Pelicano”, onde ele interpreta um jornalista ao lado de Julia Roberts, a atriz teria colocado como condição que só aceitaria participar deste filme se o papel do jornalista fosse feito por Denzel. No mesmo ano ele também trabalhou ao lado de Tom Hanks no filme “Philadelphia”, onde interpreta o principal advogado de defesa de Tom Hanks.
Entre 1983 e 2001 foram mais de 13 filmes trabalhando ao lado de grande atrizes e atores de de Hollywood. Finalmente, em 2001, Hollywood percebeu que estava na hora de reconhecer o trabalho e o talento deste grande ator. Ele foi agraciado com mais um Oscar, só que desta vez como o melhor ator pelo filme “Um Dia de Treinamento”. Hollywood finalmente se curvava diante de seu primeiro grande galã negro. Seu nome: Denzel Washington.
Em 2002, teve sua primeira experiência como diretor de cinema dirigindo o drama “Antwone Fisher”, onde também atua. Seu sorriso bonito, sua elegância, seu carisma, sua conduta dentro e fora dos “sets” de filmagens, e sua maneira de atuar certamente o colocam entre os grandes nomes de Hollywood.
Denzel Washington mostrou que, com determinação e perseverança é possível quebrar barreiras. Quando escreverem novamente acerca dos grandes atores negros de Hollywood seu nome certamente estará ao lado de Sidney Poitier e Harry Belafonte. Denzel Washington, you are The Man!
Lanterna (apagada) na Popa!
A crise política e moral que cerca o Partido dos Trabalhadores (PT) e seu representante principal, o presidente Lula, continua fazendo suas vítimas. Enquanto isso, o presidente segue fazendo suas viagens e, pelo que sei, inaugurando obras que há muito já haviam sido acabadas e inauguradas, como se estes graves problemas políticos e éticos não fossem de sua responsabilidade.
Acredito que os correligionários do PT (que deveriam saber melhor) e a massa ignara (que se contenta com as mínguas que o governo oferece sob o símbolo de tudo pelo social) estão estupefatos com a total incapacidade que o presidente vem mostrando desde que o primeiro artigo a respeito do “mensalão” veio a publico há quase um ano.
Estamos diante de um caso inédito na historia “oficial”. Pela primeira vez não são indivíduos corruptos que se autobeneficiam do dinheiro público (seu dinheiro contribuinte), mas sim a estrutura de um Partido que esta por trás do que está acontecendo.
Eu pergunto, onde é que está a nossa mídia que não pede o afastamento deste azemula? Onde estão os “Caras Pintadas” da classe média que exigiram a saída do ex-presidente Collor exatamente por questões éticas e por causa da corrupção?
Enquanto isso continuamos a nos preocupar com Copa do Mundo de Futebol, com o Carnaval, com o BBB etc. Brazil, poor Baby!
Nada Muda
Assisti na TV UOL uma entrevista da jornalista Lilian Witte Fibe com a coordenadora de uma pesquisa com brasileiros feita pelo IBOPE-OPINÃO, Silvia Cervelini. A pesquisa vem mostrar mais uma vez que a grande maioria de nós brasileiros (75%, segundo a pesquisa) somos coniventes com a corrupção em todos os níveis da sociedade.
Quando leio na mídia que as Ações Afirmativas (erradamente chamadas de Cotas pela “nossa” mídia) ferem os princípios da igualdade, penso comigo que, quando a mídia menciona “ad nauseam”, que a meritocracia deveria ser um mote para toda a sociedade, ela deve esta falando de um outro país e não do Brasil.

Edson Cadette