Brasília – A 1ª Conferência dos Povos Indígenas aberta pela Funai, na última quarta-feira, 12/04, em Brasília, e que deverá se estender até o dia 19/04, não é reconhecida pela maioria das nações indígenas. Para a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB) e o Conselho Indigenista Missionário (CIMI), a Conferência é “chapa branca” e não representa as nações indígenas nem suas lideranças.
Segundo a COIAB, depois de três anos de Governo Lula e apesar das promessas de campanha, o Governo ainda não mudou os rumos da política indigenista. “Em momento algum da construção inicial dessa Conferência os movimentos foram solicitados”, afirmou Ilton Tuxá, coordenador da Apoinme.
Segundo mais de 550 lideranças indígenas reunidas no início do mês no Acampamento Terra Livre, a Conferência da Funai foi convocada por portaria do presidente daquele órgão, Mércio Pereira, sem discutir nenhuma discussão prévia com as organizações. “A atual política indigenista deste governo é retrógrada, tutelar e oficialista, confundindo os interesses dos povos indígenas com os interesses da Funai, pretendendo confundir o órgão indigenista com a política indigenista. Uma demonstração desta política ocorreu na organização e convocatória das pré-conferências regionais, onde a Funai pautou as discussões somente em cima dos seus interesses”, afirmaram os participantes do 3o. Acampamento Terra Livre.

Da Redacao