S. Paulo – Vinte e oito das 38 empresas, entidades e instituições que receberam o Selo Diversidade Cidade de S. Paulo (73%), em março de 2007, apresentaram relatórios dos seus Planos de Trabalho considerados positivos pelos nove membros do Comitê Gestor, formado pelo Poder Público e instituições da sociedade civil.
A decisão do Comitê será referendada pelo secretário do Trabalho Nelson Hervey Costa, que presidiu a primeira reunião, realizada às vésperas do feriado de Corpus Christi, e cujo resultado foi divulgado nesta segunda-feira, 26/05, em ata que será enviada a todos os parceiros do Selo, ao Secretário de Relações Institucionais do Governo do Estado, José Henrique Reis Lobo, e ao ministro chefe da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), do Governo Federal, Edson Santos.
A reunião também marcou a despedida do jornalista Dojival Vieira, presidente da Cim-Diversidade desde agosto de 2.006 e responsável pela criação do Selo, institucionalizado pelo decreto 47.911/2006, do prefeito Gilberto Kassab. Dojival será candidato a Prefeitura de Cubatão pelo PC do B, e disse que, doravante, pretende se dedicar a trabalhos de consultoria na área da Diversidade.
O Comitê Gestor é formado por representantes do Sindicato dos Comerciários de S. Paulo, Sindicato dos Eletricitários, Instituto Ester Bueno, que trata da questão indígena em São Paulo, Associação Comercial de S. Paulo, Associação Brasileira de Empresários pela Cidadania, Pensamento Nacional das Bases Empresariais e Secretarias de Participação e Parceria, Assistência e Desenvolvimento Social e do Trabalho.
Esforço positivo
O parecer apresentado pelos membros do Comitê destaca o esforço das instituições que cumpriram os planos de trabalho apresentados para receber o Selo, contribuindo para mudar paradigmas e superar a cultura discriminatória herdada por conta dos 350 anos de escravismo e dos 120 anos de racismo pós-abolição, que gera desvantagem para a população negra, bem como a cultura machista que discriminada mulheres no mercado de trabalho. Cada membro ficou encarregado da análise de três instituições que, em março de 2007, receberam o Selo Diversidade, depois de assumirem compromissos assinando o Pacto pela Valorização da Diversidade de Gênero e Raça no Trabalho, formatado pela Comissão da Diversidade, com o apoio do Instituto Ethos de Responsabilidade Social.
Antonio Carlos Girelli, do PNBE, destacou o exemplo das Camisarias Colombo, por exemplo, que é pioneira na adoção da política de cotas. Cleonice Caetano Souza, do Sindicato dos Comerciários e Eliana Francisco, da Associação Brasileira de Emprários pela Cidadania, também ressaltaram as iniciativas positivas das instituições parceiras. O Metrô de S. Paulo, por exemplo, incluiu o tema da valorização da Diversidade em seu planejamento estratégico até 2010.
Por sua vez, o representante da Associação Comercial, José Miranda Geraldino e Fátima Cristina Palmieri, do Sindicato dos Eletricitários, falaram da importância da ampliação da iniciativa.
Continuidade
O secretário do Trabalho, Nelson Costa, assumiu o compromisso de dar continuidade ao Selo e disse que ainda este mês serão convocadas reuniões para definir a segunda edição. Ele agradeceu a participação dos membros do Comitê e das empresas parcerias e ressaltou a dedicação do jornalista Dojival Vieira, que lançou a idéia e teve papel destacado na consolidação da primeira edição do Selo. O trabalho do jornalista também foi destacado pelos membros do Comitê.

Da Redacao