Pedro Leopoldo/MG – A Polícia de Pedro Leopoldo, cidade da região metropolitana de Belo Horizonte conhecida como a terra onde nasceu o médium Chico Chavier, deverá ouvir na próxima semana, o fazendeiro Lucas da Silva, acusado de se apropriar das terras na Comunidade Quilombola de Pimentel e de invadir a sala do vereador Vanderlei Dias, 35 anos, na Câmara Municipal na última segunda-feira (30/01) para ameaçá-lo de morte.
“Você não brinca com quem você não conhece. Eu tenho quatro homicídios nas costas, vai ser o quinto, o sexto, o sétimo. Não pise em minhas terras, eu vou matar um bocado de vocês que pisar lá dentro. Você já denunciou nós lá, eu estou por aqui com você”, disse o fazendeiro, responsável pelo desmatamento das terras da comunidade.
Preocupação
O vereador, que é negro, registrou Boletim de Ocorrência na Polícia na Polícia e fez um alerta aos organismos de Direitos Humanos do Estado e Assembléia Legislativa do Estado de que corre perigo de vida. Também foi aconselhado por amigos a responsabilizar o governador de Minas Antonio Anastasia e o ministro da Justiça José Eduardo Cardoso, caso o fazendeiro cumpra a promessa de assassiná-lo.
Preocupado, ele confessou, em entrevista exclusiva à Afropress, que ” a primeira reação foi de susto”. “Ele não se apresentou. A idéia minha era só registrar em fotos a invasão do meu gabinete, mas a máquina estava em modo de gravação e acabou que tudo foi registrado em vídeo”, afirmou.
Quilombo Pimentel
Segundo o parlamentar, na área do Quilombo Pimentel residem 15 famílias – cerca de 100 pessoas – porém, esse número já foi muito maior – cerca de 3 mil moradores, segundo relatos dos mais antigos do Quilombo. Toda a área, que já foi de 10 hectares hoje reduzida a 2, está sob apreciação do Incra para estudos antropológicos visando a ação de reintegração para a comunidade quilombola.
A Fundação Palmares já expediu o certificado de titularidade para a comunidade quilombola ao final do ano passado, de acordo com o vereador.
“Essa é uma luta antiga, mas começou a se intensificar em 2009. Os moradores, organizados por meio da Associação Quilombola do Pimental, cultivam milho, feijão, mandioca, mas a maior parte depende de empregos e ou bicos na sede do município para sobreviver”, contou.
Denúncia e autuação
Dias, que é do PMDB e está no seu primeiro mandato, disse que a ira do fazendeiro aconteceu porque no dia 26 do mês passado, ele fez a denúncia junto aos órgãos de controle ambiental para barrar o desmatamento da área. No dia 28, o fazendeiro foi autuado e, na segunda-feira, dia 30, aconteceu a invasão do gabinete e as ameaças de morte gravadas.
“A repercussão foi muito grande na cidade”, contou, acrescentando que o Programa de Segurança dos Defensores de Direitos Humanos do Ministério da Justiça, o orientou a evitar lugares comuns em que ele possa encontrar o agressor e também para tomar cuidado no caso de perceber a aproximação do fazendeiro.
Mesmo com a repercussão na cidade e em veículos da grande mídia, como o Programa Brasil Urgente, da TV Bandeirantes, a invasão e as ameaças do fazendeiro ao vereador não sensibilizaram os outros 9 vereadores.
Segundo Dias, que é militante de Pastorais Católicas e agente da Pastoral Carcerária, a Câmara não se sensibilizou e o presidente da Casa, Osmar Costa, do PDT, tem se mostrado indiferente ao caso.
A única manifestação de solidariedade partiu do KDePL, Movimento Social que surgiu para cobrar mais transparência da administração.
Veja o vídeo com a gravação das ameaças de morte ao vereador.

Da Redacao