A Afropress é longeva. É seu diferencial importante em sua ininterrupta aparição diária. Que faz lembrar a dedicação dos jornalistas que desenharam o que é hoje uma Folha de S. Paulo, Estado de Minas, O Tempo, Estadão, O Globo. Sim, são paralelos, apesar de ser a Afropress uma mídia eletrônica. Talvez por isso tenha tido sucesso em se manter tão atual e permanente. Fazendo seus méritos ainda maiores e melhores.

Ver a legitimidade do trabalho do jornalista Dojival Vieira, também dá o tom da extensão do comprometimento da seriedade com que se vem construindo a Afropress. O Brasil, e sua Comunidade Negra tem sede dessa variável que se sustenta em notícias e opiniões que veem edificando uma nova maneira de promover o debate do bom combate.

A Afropress transforma em seus espaços e links a informação em conteúdo de destaque que merece ser lido e comentado com uma editoria atenta. O que tem proporcionado o aumento do núcleo de formadores de opinião que acessam diariamente a página na internet. Trabalho duro de foco e determinação hercúlea. Não se carrega pedra aqui, mas se movimenta neurônios que dariam pra fazer uma tonelada de cimento ter o mesmo peso de uma pena.

Você não precisa ser um expert para ver o poder da expertise do jornalista Dojival Vieira, motivo da longeva vida da Afropress. Uma década voltada à prestação de serviços através da informação. 10 anos como arauto do Povo Negro. Duzentos e quarenta meses, e prosseguindo dia-a-dia, na luta para acabar com o preconceito e o racismo no Brasil e no mundo. Uma década de conquistas e da consolidação da Agência Afroétinica de Notícias em que se transformou a Afropress.

Parabéns,  Dojival. Parabéns, Família Afropress!!!

 

 

 

José Amaral Neto