Brasília – O cineasta Joelzito Araújo, diretor dos longas “Negação do Brasil” e “Filhas do Vento”, defendeu, durante plenária da 1a Conferência Regional das Américas, que as práticas racistas perpetuadas pela mídia devem ser temas permanentes em fóruns e debates internacionais de combate ao racismo.
Joelzito falou na plenária do movimento social da Conferência que ocorre em Brasília desde quarta-feira (26/7) e reúne representantes governamentais e da sociedade civil para debater os avanços no Plano de Ação de Durban de vários países das Américas.
Para Joelzito, o processo de embraquecimento da identidade nacional engendrado no pensamento brasileiro sempre foi fortalecido pela mídia. Prova disso é que a difusão de idéias como a ‘democracia racial’, do pensador Gilberto Freire, coincidem com a expansão dos meios de comunicação de massa, em especial, o cinema, a telenovela, a propaganda e os programas infantis da tevê. “Essas mídias sempre foram utilizadas para fortalecer as práticas raciais e preconceitos que inferiorizam negros e indígenas, através da sub-representação e da manutenção de estereótipos racistas”.
Como proposta, Joelzito Araújo apresentou a urgência da inserção do tema ‘mídia e racismo’ para o debate permanente em encontros como a Conferência Regional das Américas, para que Governos e movimento social entendam a relevância da comunicação na luta contra as desigualdades raciais.
Por fim, o cineasta destacou a importância do tópico Comunicação no Estatuto da Igualdade Racial, projeto do senador Paulo Paim que tramita no Congresso Nacional, e reforçou a necessidade de incentivo aos veículos de comunicação alternativos à grande mídia que “valorizam as contribuições negras e indígenas para o desenvolvimento do Brasil”.

Da Redacao