S. Paulo – Numa atitude de humildade e reconhendo ter cometido um crime, o jogador Danilo, do Palmeiras, pediu desculpas ao zagueiro Manoel, do Atlético, pela ofensa racista praticada no jogo de quinta feira no Palestra Itália, pela Copa Brasil.
“Estou aqui para pedir desculpas, pois sei que errei. Não se cospe na cara de um homem e nem se ofende daquele maneira”, reconheceu o palmeirense, admitindo também a cusparada que deu no adversário logo após xingá-lo. “As pessoas que me conhecem sabem do meu caráter. Tudo o que aconteceu foi de jogo, mas estava de cabeça quente e afirmo que isso jamais vai se repetir”, continuou Danilo.
Flagrado pelas câmeras que o viram chamando o jogador do Atlético de Macaco e depois desferindo uma cusparada em seu rosto, Danilo tentou se justificar. “Foi uma expressão que eu usei, não foi uma ideia ou um pensamento. Poderia ter sido qualquer palavra. Sei que foi uma palavra forte, mas em nenhum momento quis mostrar qualquer ato racista.”
O pedido de desculpas foi feito depois que o palmeirense resolveu espontaneamente comparecer ao 23º DP de Perdizes, para prestar depoimento no Inquérito que apura o crime de injúria racial, previsto no art. 140, parágrafo 3º do Código Penal Brasileiro. O crime, prevê, em caso de condenação, penas de três meses a um ano de prisão.

Da Redacao