Brasília – Lideranças do Movimento Negro do Estado de Santa Catarina protocolaram denúncia contra o jornal Correio Lageano, de Lages, no Ministério Público Estadual. A publicação, que circula na cidade, situada na Serra Catarinense, terá que justificar a publicação, em fevereiro último, de uma charge entitulada “Maioridade Penal”.
Nela aparecem bebês negros nascendo, e o médico dizendo “Segurança, é uma fuga em massa”. O episódio ganhou notoriedade não só em Santa Catarina. Organizações do Movimento Negro em todo o país divulgaram nota de repulsa ao episódio. “Vamos aguardar as investigações, mas podemos adiantar que não vamos deixar o caso ficar impune”, adianta o vereador Márcio de Souza, do PT, de Florianópolis.
O jornal Correio Lageano divulgou nota de esclarecimento. Na nota, o veículo argumentou que “a questão da maioridade penal afeta a toda a sociedade e, portanto, deve ser discutida de forma ampla”. No texto ainda ficou destacado que o jornal lamentou que a imagem apresentada na charge tenha passado uma idéia racista, a qual não foi a sua intenção. O parlamentar destaca que em recente audiência realizada em Lages, com lideranças locais do Movimento Negro, entre elas a responsável pela Pastoral Afro de Lages, Maria Odete de Castro, a comunidade ainda se declarava indignada com o fato.
Para o vereador, que percorre o interior catarinense com a Caravana Anti-Racismo, a qual leva denúncias à Justiça de casos de discriminação racial, a justificativa do jornal não ameniza o episódio, pois o mesmo terá que se explicar em juízo pela falta de cuidado editorial em permitir que um tipo de charge como esta fosse veiculada.
Tais episódios racistas são freqüentes, acrescenta o vereador. Segundo ele, os negros compõem 15% da população de Santa Catarina e ainda são tratados com invisibilidade pelo Estado. “Precisamos lutar para reverter a imagem que nosso estado foi apenas colonizado por alemães, italianos e portugueses. A população negra responde com expressiva força de trabalho e contribuição histórica, avaliou Márcio de Souza.

Da Redacao