S. Paulo – A jornalista Rosiane Rodrigues lança nesta quinta-feira (09/05) na Faculdade Zumbi dos Palmares (Av. Santos Dumont, 843 – Estação Armênia do metrô), o livro “Nós”, do Brasil” em que discute os conteúdos da legislação para as relações étnico-raciais nas escolas, em especial, as Leis 10.639/03 e 11.645/08 que obrigam a inclusão de história da África e cultura afro-brasileira e indígenas nas escolas de ensino fundamental e médio.

O lançamento, que começa a partir das 18h, será antecedido de um debate sobre os “Dilemas e Desafios da Educação para as Relações Étnico-Raciais: o caso das Leis ‘0.639/03 e 11.645/08”, com a participação do diretor executivo da Revista Raça, Maurício Pestana, do escritor Oswaldo Faustino, de Elisa Lucas, da coordenação de Políticas da População Negra da Secretaria da Justiça, do ex-secretário de Justiça, doutor em Direito Constitucional e professor da Palmares, Hédio Silva Jr., e de Daniel Douek, mestre em Letras pelo Programa de Estudos Judaicos e Árabes da USP. O debate terá mediação do editor de Afropress, jornalista Dojival Vieira.

O livro “Nós, do Brasil”, lançado pela Editora Moderna, começou a receber avaliações favoráveis por parte de professores que fizeram a revisão crítica e sugeriram conteúdos, antes mesmo do lançamento, que aconteceu nesta terça-feira (07/05) no Rio.

Confira:

Aline Sá (foto), professora de Geografia, com especialização em Relações Étnico-raciais (CEFET/RJ), do Colégio Pedro II (Ensino Médio) e PROEJA – Educação de Jovens e Adultos.  

“Pensar nas relações étnico-raciais é um desafio e uma obrigação para os professores dos níveis fundamental e médio. Isso, porque, há tempos docentes e discentes estão sedentos de conhecimento sobre o assunto e um material como o livro ‘Nós’ do Brasil direciona os professores, além de informar e divertir os alunos.

Como professora do Ensino Médio e do PROEJA – Educação de Jovens e Adultos, do Colégio Pedro II, recomendo a leitura do livro e o seu uso a fim de preencher a lacuna dos livros didáticos em relação ao assunto, que muito nos interessa. Tenho a certeza que a leitura de ‘Nós’ do Brasil será esclarecedora para os jovens de todas as idades”.

Decione Penha, professora de Sociologia do Ensino Médio na Rede Pública Estadual do Rio de Janeiro. Tem especialização em Relações Étnico-raciais pelo CEFET/RJ.

“A informação é a arma mais poderosa para eliminar preconceitos e essa é a principal contribuição do livro. Apresentado em uma linguagem acessível a qualquer público, de forma bem humorada, permite aos professores suprirem os hiatos existentes nos conteúdos programáticos das disciplinas cuja temática esteja inserida na lei 10639/03.

O "Nós", do Brasil "nos proporciona uma viagem pela diversidade brasileira, explorando a contribuição do patrimônio cultural daqueles que durante séculos permaneceram discriminados e/ou ignorados. De forma inédita, seu conteúdo amplia esses conhecimentos em todas as suas vertentes, e os conflitos decorrentes do contato entre elas.

Temas diversos em literatura variada sobre a temática das relações étnico-raciais estão condensadas nesse material, facilitando a compreensão da formação étnico-racial brasileiras e suas consequências. Seu grande mérito é permitir ao leitor a apreensão de um conteúdo pouco explorado e de difícil acesso para os alunos de forma prazerosa, interessante e divertida”.

Marina Alves (foto), bacharel em Relações Internacionais com especialização em Relações Étnico-raciais (CEFET/RJ).

A experiência na participação no livro de Rosiane foi antes de tudo um exercício de sensibilização no uso de novas linguagens. Linguagens estas que buscaram se aproximar da percepção de um público jovem, como também, de outros não tão jovens, mas que possuem um olhar de primeira vez acerca das temáticas que envolvem os estudos das relações étnico-raciais no Brasil.

Como profissional foi importante observar o continente africano a partir de uma perspectiva mais cuidadosa que busca valorizar um discurso que evidencia a pluralidade cultural e histórica do continente e suas especificidades, sem deixar de constatar os ‘nós’ construídos, e que ainda permanecem no imaginário político brasileiro sobre o que nos assemelha e nos diferencia da dinâmica cultural dos países africanos. 

Espero que este livro alcance o maior número de gestores e docentes interessados em fomentar nos espaços de sala de aula, junto aos alunos, este debate político essencial para uma compreensão menos eurocêntrica de nosso país. E que de maneira didática auxilie estes profissionais a relacionar tais dimensões culturais e históricas com a realidade identitária, social e econômica da população afro-brasileira na contemporaneidade.    

Verton da Conceição, professor de História, bacharel em Direito e ativista do Movimento Negro Unificado (MNU).  

O "Nós" do Brasil" chega num momento muito oportuno, em que estamos pensando seriamente nos saberes que nos foram transferidos nos bancos escolares das Universidades e que repassavamos na nossa prática em sala de aula, servindo para perpetuar preconceitos e ajudar a mascará-los. O que o livro de Rosiane Rodrigues propõe é a desconstrução de mitos históricos, de coisas que alguns professores ainda repetem em sala de aula, porque leem nos livros didáticos e precisam seguir os cronogramas de aulas, sem terem tempo (sabemos o por quê) para se preocuparem com que tipo de ensino estarão promovendo para as jovens negras(os) – maioria absoluta da população brasileira. É um livro conciso, rico por seu caráter multidisciplinar, baseado em pesquisas científicas que são possíveis de serem acessados, agora. 

Da Redação