S. Paulo – O jornalista e escritor Oscar Henrique Marques Cardoso, realiza durante o Congresso Internacional Face de Ébano, que acontece de 8 a 9 de agosto próximo, na Faculdade Zumbi dos Palmares, na capital paulista, a apresentação do Projeto Coletânea Negras Palavras Gaúchas, Inclusão do escritor negro pela Literatura e também o lançamento de seu quinto livro, Vó Cóia.

O Projeto Coletânea Negras Palavras Gaúchas foi premiado na Primeira Edição do Prêmio Diversidade RS, concedido pela Secretaria de Estado da Cultura, pelo ineditismo da iniciativa em integrar, lançar e promover a inclusão racial e social por meio da literatura. Vó Cóia, seu mais novo título, é uma novela, cujo enredo trata do abandono de idosos.

A Faculdade Zumbi dos Palmares fica na Avenida Presidente Castelo Branco, 10.234, Ponte Pequena (fica no Espaço do Clube de Regatas Tietê, próximo a Estação do Metrô Armênia). A sessão de autógrafos acontece no dia 8 de agosto, sexta-feira, a partir das 17h.

Coletânea Negras Palavras Gaúchas

O Projeto Coletânea Negras Palavras Gaúchas nasceu da iniciativa do jornalista e escritor Oscar Henrique Marques Cardoso em reunir um grupo de autores negros e não negros gaúchos para oportunizar a união de um grupo de intelectuais negros gaúchos e convidados de outros estados brasileiros.

Segundo o idealizador do projeto, inspirado em outras iniciativas nacionais, é momento de os nossos pensadores, nossos formadores de opinião e escritores divulgar no mercado editorial a existência de um coletivo negro que reflete e escreve sobre sua própria trajetória, história, ancestralidade e identidade. Também coube ao jornalista, que lança seu quarto livro, pensar em elaborar um material que sirva de apoio para a aplicação da Lei Federal 10.639/2003 na rede pública e privada de ensino.

Nascido em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, em 8 de dezembro de 1971, Oscar Henrique Marques Cardoso, é jornalista, radialista e escritor. Formado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, começou a sua inserção no mundo das palavras ainda na adolescência. Foi premiado com uma monografia sobre “As Raízes Portuguesas no Rio Grande do Sul, cidade do Rio Grande”, pelo Instituto Cultural Português em 1987. Mas foi no rádio que Oscar Henrique viveu momentos únicos.

Sua estréia foi na Rádio Pampa de Porto Alegre e o ano era 1993. Também atuou na Rádio Bandeirantes, em Porto Alegre, onde apresentou programas jornalísticos. Foi repórter no Jornal Pioneiro, em Caxias do Sul e cordenador na Rádio Universidade de Caxias do Sul. Em Brasília, Distrito Federal, trabalhou na Fundação Cultural Palmares, instituição pública federal vinculada ao Ministério da Cultura. Em Florianópolis, atuou como jornalista freelancer em jornais e revistas.

Radicado em Canoas, Rio Grande do Sul, se dedica a atividade de jornalista freelancer. É autor de NÓS, seu primeiro livro, editado pela Editora Biblioteca 24 Horas, de São Paulo e também os títulos: Entre Louvores e Amores, lançado pela Editora Naós/Ágape, Cuidado! Palavra Viva, pela Editora Ética do Brasil, Coletânea Negras Palavras Gaúchas, pela Editora Evangraf e agora Vó Cóia, pela Editora Cidadela.

Até o final do ano, lançará também A Pérola Mais Negra, pela Editora Cidadela e trabalha para obter apoio para lançar a segunda edição da Coletânea Negras Palavras Gaúchas, com a participação de autores angolanos, pois o próximo trabalho traz como proposta integrar autores brasileiros e angolanos.

 

 

Da Redação