Salvador – A primeira juíza negra do Brasil é também desde esta segunda-feira (30/agosto), a primeira desembargadora negra do Tribunal de Justiça da Bahia. Ela ocupará a vaga de desembargadora substituta na Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça baiano. Luislinda disse que a conquista é importante para abrir caminho para os negros no Judiciário.
Além de ser a primeira juíza negra, Luislinda trabalhou no interior baiano até ser promovida para Salvador, em 1.993, e foi a responsável por reativar dezenas de juizados especiais em municípios do interior. Também criou e instalou a Justiça Itinerante e o Juizado Itinerante marítimo.
Ela decidiu se tornar juíza depois de, aos 9 anos, ouvir de um professor que “se você não tem dinheiro para comprar o material escolar, pare de estudar e vá cozinhar feijoada na casa de branco”.

Da Redacao