Filho de uma família de fazendeiros com raízes holandesas, sua família lutou contra os britânicos pela posse de terras, diamantes e também do ouro sul-africano. Eles se autodenominavam africâneres. Quando jovem, deixou a faculdade para tornar-se militante do partido de Direita Nacional, até chegar à presidência da África do Sul, em 1978.
Defensor irascível do regime racista do apartheid, criado em 1948, ele ajudou a implementar a fundação do regime segregacionista que mantinha os negros destituídos de qualquer direito civil. O partido nacionalista adotou a segregação em todos os aspectos da sociedade. Na época também foi criada uma lei proibindo casamento inter-racial, sexo entre brancos e negros, e regulamentando todas as relações sociais no país.
Após a implementação desta lei, a liberdade de movimento para o negro sul africano ficou bastante limitada. A grande maioria era obrigada a carregar uma espécie de passe para poder movimentar-se. Neste período também foram criadas as terras “independentes” para as várias tribos, com o intuito da minoria branca vigiá-las melhor. O Sr. Botha, também conhecido pelo apelido de velho crocodilo, ganhou notoriedade quando foi secretário de Defesa. Na época, deu amplos poderes à Polícia e ao Exército.
Seu governo reprimiu dissidentes, encorajou rivalidades entre tribos, grupos étnicos e tentou também desestabilizar os países vizinhos contrários ao sistema de domínio da minoria branca. Mesmo recebendo condenação mundial pelo apartheid, e sofrendo embargo de anos, o Sr. Botha continuou firme no comando do país. Grandes reservas de ouro e diamantes ajudaram o país a conviver com os embargos econômicos e as sanções políticas. Com a ajuda de países como Israel e outras nações, a África do Sul seguiu conduzindo negócios clandestinos de armas e fazendo esforços para desenvolver armas nucleares.
A situação começou a ficar insustentável a partir dos anos 80. Não dava mais para o país continuar isolado. A violência para intimidar os dissidentes, e o poder do Exército contra os paises vizinhos que eram contra o apartheid não foram suficientes para evitar o desmoronamento do sistema segregacionista. A situação ficou tão insuportável que até mesmo políticos do partido nacionalista começaram a defender uma maior participação da maioria negra. O governo teria que ceder sem parecer fraco. No final dos anos 80, Sr. Botha sofreu um derrame e, finalmente, aceitou a proposta de encontrar-se com Nelson Mandela, um dos principais membro do CNA (Congresso Nacional Africano) preso desde 1963.
O Sr. Botha e o Sr. Mandela encontraram-se em 1989. Um mês depois deste encontro ele renunciou a presidência dando lugar ao Sr. De Kerk.
Sob o novo governo De Kerk, finalmente o sistema do apartheid começou a ruir. Em 1990 o Mandela foi solto. Quatro anos depois o Congresso Nacional Africano tornou-se um partido político elegendo-o presidente, em 1994 e, dois anos depois, uma nova Constituição foi ratificada. Mesmo com todas estas mudanças o velho crocodilo não deu o braço a torcer. Segundo ele, não havia nada para desculpar-se, ou tão pouco pedir por anistia nem agora, nem amanhã e nem depois de amanhã.
Hoje em dia, ainda há pessoas que desconhecem a história Africana. Por causa deste desconhecimento acreditam serem os africanos os culpados pelas atrocidades cometidas contra a Mãe-Pátria durante os mais de 300 anos de exploração européia. A história do Sr. Botha prova que estes neo-racistas estão totalmente equivocados.
MÚSICA
Você não vai ver o nome dela escrito com letras enormes atrás do palco. Tampouco verá fogos de artifícios quando ela aparecer para cantar. Ela não tem cantores de fundo dando piruetas, nem tampouco usa um microfone conectado ao ouvido andando de um lado para o outro no palco. Ela não usa roupas curtas, cabelos coloridos e também não mostra os seios quando se apresenta.
A cantora revelação do ano passado Corinne Bailey Rae tem classe e compostura. Seu CD de estréia chamado Corinne Bailey Rae foi puxado pelo sucesso “Put Your Record On” (Coloque Seu Disco Para Tocar). Ela nos faz lembrar das musas da nossa Bossa Nova. Nara Leão, Astrud Gilberto, etc. A senhorita Rae começou cantando nos corais das igrejas na Inglaterra. Ainda jovem conseguiu um trabalho para guardar casacos num clube de Jazz, e depois do trabalho começou a cantar com a banda do clube. Daí para gravar um CD não demorou muito.
Para os aficcionados de música que ainda se importam com noções de autenticidade, a jovem Rae toca violão, escreve música e tem uma voz melódica que nos faz esquecer os gritos e excessos de suas contemporâneas. Em um mundo cada vez mais nivelado pelo estilo crasso, Corinne Bailey Rae é uma rosa nascida no atual pântano do pop musical.

Edson Cadette