Porto Alegre/RS – Em um ato singelo, mas de forte significado simbólico, histórico e político, a liderança quilombola Geneci Flores, do Quilombo dos Flores, entregou um buquê com 40 rosas, a Milena Freitas, viúva do soldador Beto Freitas, assassinado a pancadas e por asfixia por seguranças do Carrefour.

O ato serviu para marcar o primeiro ano do assassinato do soldador, um homem negro, morto num espetáculo de selvageria no pátio da loja do Carrefour, do bairro Passo D’Areia, enquanto a viúva que gritava por socorro era impedida de socorrê-lo. O número de rosas representou a idade que Beto Freitas tinha quando foi morto.

Milena recebeu a liderança quilombola, que estava acompanhada do advogado Onir Araújo, em sua casa e agradeceu  emocionada o gesto.

“Em nome do Coletivo de Advogados e da SOEU, agradecemos o importante posicionamento da família, expresso na Declaração Pública, em que Milena e o pai de Beto, senhor João Batista, manifestam apoio à luta dos advogados, e reiteramos o compromisso com o clamor pela verdadeira Justiça. Foi muito emocionante”, contou Onir.

Segundo o advogado, o encontro foi marcado pela emoção, não apenas pelo significado do dia para Milena, mas também porque Geneci, “uma mulher guerreira do nosso coletivo, ainda vive o luto pela perda da mãe em decorrência de complicações da Covid-19”.