Brasília – A permanência do ministro chefe, Elói Ferreira de Araújo, à frente da SEPPIR, foi pedida nesta terça-feira (07/12), à presidente eleita Dilma Rousseff, em manifesto lançado por entidades do Movimento Negro e assinado pelo produtor cultural carioca Luiz Eduardo Oliveira, o Negrogun, do Movimento Negro do Partido Democrático Trabalhista (PDT).
Elói, que pertence ao grupo político do ex-ministro Edson Santos, deputado federal reeleito pelo PT carioca, assumiu a SEPPIR em abril, substituindo Santos que se afastou para concorrer à reeleição.
No final da tarde, em entrevista exclusiva ao editor de Afropress, jornalista Dojival Vieira, o ministro garantiu desconhecer qualquer articulação ou movimento em defesa do seu nome, mas disse que ficou “honrado e envaidecido com essa e outras manifestações de apoio”.
“Tenho a preocupação em não criar qualquer constrangimento a Presidente. Quem vai escolher os seus colaboradores é a Presidente Dilma. Se a Presidente Dilma me convidar terei orgulho de ser seu colaborador. Mas se também não for eu o escolhido, estarei feliz por ter cumprido o nosso papel e na torcida pelo sucesso de seu Governo”, afirmou.
Apoiadores
No manifesto intitulado “Sim para a continuidade da SEPPIR e o fortalecimento de suas políticas e estruturas”, os subscritores do documento afirmam que “é quase consenso que a administração do ministro Elói foi marcada por grandes avanços na interlocução com as forças dos Movimentos Sociais, apontando para um futuro de maiores conquistas”.
“Sabemos que é da responsabilidade da Presidente DILMA ROUSEFF, indicar seus Ministros, porém nós militantes e apoiadores desse governo não poderíamos deixar de expressar nossa opinião sem que com isso estejamos querendo impor um nome a Sr.ª Presidente ou pretensiosamente estar-mos vetando outros, não, nosso intuito é apenas colaborar expressando o sentimento de muitos de nós e até dos que não estavam no evento mas que com certeza corroboram com essa iniciativa”, afirmam.
O evento a que se referem foi um encontro realizado na semana passada (dias 03 e 04o deste mês), em que estiveram reunidas lideranças negras em um “COLÓQUIO – Políticas de Promoção da Igualdade Racial”, para avaliar os avanços da luta pela igualdade nos últimos anos.
Além de Elói, agora formalmente lançado, os nomes do secretário adjunto, sociólogo João Carlos Nogueira, de Santa Catarina, e o Secretário de Ações Afirmativas, Martvs Chagas, tem sido lembrados para ocupar a SEPPIR. Ambos pertenceram a equipe da ex-ministra Matilde Ribeiro.
Além deles, circulam os nomes da vereadora de Salvador, Olívia Santana, do PC do B, e do deputado federal do PT de S. Paulo, Vicente Paulo da Silva.
Sem traumas
A admissão por parte do atual ministro de que aceita ficar, caso venha a ser convidado pela Presidente, segundo ele não o indispõe com o grupo do ex-ministro Edson Santos, com disse cultivar uma relação de “respeito e carinho”.
“O ministro Edson já manifestou que deseja permanecer na Câmara Federal. Porém, se ele desejasse retornar e se for o desejo da Presidente Dilma, seria de grande qualidade, porque ele é um homem extremamente qualificado. Ele, porém, já revelou o desejo de permanecer na Câmara. Mas, se, a qualquer momento, mudar de idéia, terá em mim sempre um companheiro que tem por ele o mais irrestrito carinho e respeito político e pessoal”, acrescentou.

Da Redacao