Brasília – Voltou a circular com força na Esplanada a idéia da extinção da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), a Secretaria das Mulheres e a Secretaria de Direitos Humanos, com a criação de um novo super Ministério, com recursos no orçamento e maior capacidade de gestão. O nome da nova pasta já teria até sido escolhido pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva: Ministério da Diversidade Sexual, dos Direitos Humanos e da Igualdade Racial.

Segundo fontes do Palácio do Planalto, Lula deve aproveitar os dias de descanso do carnaval para amadurecer a idéia, e já teria até um nome para o cargo: o da ex-prefeita de S. Paulo, Marta Suplicy (foto), que é cotada também para a Educação e para o Ministério das Cidades. Embora o assunto não seja de domínio público, interlocutores próximos ao Presidente garantem que ele poderá torná-lo público logo após o carnaval, quando está previsto o anúncio dos nomes da equipe do segundo mandato.

Não é a primeira vez que Lula cogita o fim da Seppir, tal qual está estruturada hoje. Em julho de 2.005, quando surgiram as primeiras denúncias do mensalão, às vésperas da 1ª Conferência de Promoção da Igualdade Racial, o presidente chegou a vazar que rebaixaria o status da Seppir, que é uma Secretaria com status de Ministério.

O assunto foi abafado e saiu da pauta, inclusive pela inconveniência do momento e também porque a reforma ministerial acabou não acontecendo. Pouco antes das eleições do ano passado, circulou a informação de que a Seppir se transformaria numa Coordenadoria de um super Ministério, juntamente com a Secretaria das Mulheres, perdendo o status que ocupa hoje no contexto do desenho do novo formato do governo para o segundo mandato.

É a idéia que voltou a ser cogitada, só que, ao invés do super ministério ser entregue ao PMDB, como parte da maior participação dos peemedebistas na cota de cargos do segundo mandato, iria para a ex-prefeita Marta Suplicy, como parte de uma estratégia para dar visibilidade nacional ao seu nome, preparando o caminho para que se torne nome forte do PT, como candidata a Presidência da República, nas eleições de 2.010.

A Afropress apurou que a ministra Matilde Ribeiro já foi informada das intenções do presidente. A Seppir dispõe de 43 cargos de DAS (Direção e Assessoramento Superior), dos 19.802 existentes na Esplanada dos Ministérios, a quase totalidade indicada pelo PT. Os salários dos DAS variam de R$ 1.232,00 a R$ 7.595,00. Os cargos podem ser preenchidos a critério de cada ministro. Além dos salários os indicados tem outras vantagens: a partir do DAS 4, todos têm direito a auxílio moradia no valor de R$ 1.800,00.

Da Redacao