Brasília – O Presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que os projetos que criam cotas para negros e indígenas nas universidades públicas não foram ainda aprovados por causa do preconceito “de algumas pessoas”.
“A questão das cotas não é fácil, pois tem meia dúzia de pessoas que não concorda, e o debate se torna preconceituoso e predominantemente elitista”, afirmou nesta quarta-feira, 27/09, ao discursar no Palácio do Planalto, na cerimônia de assinatura de um decreto que garante a comunidade remanescente de quilombos de Caçandoca, em Ubatuba, litoral paulista, direito à posse das terras que ocupam há séculos.
No Congresso estão tramitando os projetos do Estatuto da Igualdade Racial e o PL 73/99, que criam Ações Afirmativas, dentre as quais Cotas para negros e indígenas. O Estatuto, de autoria do senador Paulo Paim, tramita há 11 anos e o PL 73/99, desde 1.999.
Segundo Lula valeu a pena enfrentar o debate “pois o sistema de cotas teve um extraordinário resultado onde foi implantado”. “A verdade nua e crua é que o ensino superior no Brasil não foi feito para negros ou pobres. Foi feito para gente pertencente a uma parcela da elite brasileira”, discursou.
O presidente não explicou porque o Governo não mobilizou sua base para aprovar as medidas. As ações Afirmativas, entre as quais as cotas, existem em 30 universidades estaduais e federais, por decisão de seus próprios organismos internos.

Da Redacao