Manaus – Com vinte votos contra e oito a favor, a Câmara Municipal de Manaus rejeitou o projeto de Lei de autoria da vereadora Lucia Antony (PC do B) que criaria o “Parque dos Orixás”, espaço cedido pela Prefeitura Municipal reservado aos praticantes de cultos afro-brasileiros para a realização de suas manifestações, entregas de oferendas, entre outras ações determinadas pelo culto para saudar, agradecer e pedir axé aos orixás e deuses africanos.
Lucia Antony, há algum tempo vinha se reunindo com representantes da umbanda e candomblé, além de secretarias municipais envolvidas na orientação para o espaço, como as Secretarias de Meio Ambiente e de Limpeza pública. Segundo a vereadora do PC do B, o objetivo de destinar um espaço exclusivo para as manifestações dos cultos é disciplinar questões como a coleta de material de oferendas, que são “arriados” em vários locais dando mais trabalho para a limpeza pública e chamando urubus e animais que se alimentam dos restos.
Em Manaus, muitos adeptos deixam suas oferendas na área denominada Cachoeira do Tarumã, onde encontram os elementos da natureza ligados aos cultos, mas que também fica próxima ao Aeroporto Eduardo Gomes, o que traz perigo para a aviação em razão da aproximação das aves.
Ter um espaço exclusivo, como já se tem no Rio de Janeiro e em São Paulo, também evitaria as manifestações preconceituosas de evangélicos que se reúnem em locais, já conhecidos de despacho, para “exorcizar” os integrantes dos cultos.
Apesar dos inúmeros os benefícios do “Parque dos Orixás”, isto não foi levado em consideração pela bancada de vereadores que votou contra, a chamada Bancada Evangélica, que no mesmo dia votou e aprovou a instituição do dia 18 de junho como o Dia das Assembléias de Deus e do Movimento Pentecostal em Manaus.
O “Parque dos Orixás” foi denominado pejorativamente por uma deputada de “macumbódromo” demonstrando a total falta de conhecimento e educação da parlamentar quanto às raízes afro-brasileiras.
O representante do Movimento de Afro-descendentes do Amazonas (AfroAmazonas), Alberto Jorge da Silva considerou uma tristeza a decisão equivocada da Câmara Municipal de Manaus. O AfroAmazonas vai realizar uma passeata de protesto, repudiando a atitude preconceituosa dos parlamentares. No dia de Nossa Senhora da Conceição – padroeira do Amazonas – a AfroAmazonas está convocando pais e mães-de-santo para lavarem com sal grosso as escadarias da Câmara Municipal de Manaus.

Da Redacao