S. Paulo – O líder dos Racionais MC’s Mano Brown quebrou o protocolo na cerimônia de entrega do Troféu Raça Negra, nesta segunda-feira (19/11), na sala S. Paulo, ao protestar contra a onda de violência no Estado e, que segundo ele, atinge, especialmente jovens negros da periferia.

“Eu queria que ele estivesse aqui”, disse Brown, referindo-se ao governador Geraldo Alckmin, ao receber o Troféu juntamente com os dois outros integrantes do grupo – Ice Blue e KL Jay – dividindo o palco com os cantores Carlinhos Brown e Martinho da Vila, que também foram homenageados.

Com a cara fechada de costume e sem nenhuma preocupação em ser simpático aos organizadores do evento que o homenagearam – a Afrobras e a Faculdade Zumbi dos Palmares –, nem aos demais artistas com quem dividiu o palco, Brown considerou absurdas as declarações de Alckmin que, na semana passada, ao falar sobre a onda de violência iniciada em outubro, atribuiu a quantidade de mortos ao tamanho da população do Estado.

Ao lembrar que ambos torciam para o mesmo time (Alckmin, a exemplo de Brown torce para o Santos), alguém da platéia interviu com um  “troca de time”, ao que o líder dos Racionais respondeu: “É mais fácil trocar de governador”.

O protesto não previsto causou constrangimento aos organizadores, em especial, ao reitor da Zumbi, José Vicente, que pouco antes havia aberto a cerimônia ao lado da secretária Eloísa Arruda, da Justiça, representando o governador, e do presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Murilo Portugal. Vicente, no entanto, não quis fazer comentários.

A edição deste ano – a décima – homenageou o líder do Movimento dos Direitos Civis, Martin Luther King, morto há 44 anos, e teve como principal estrela, a filha mais nova do líder, a missionária Bernice King.

Show e cerimônia

Num evento, cuja direção com um roteiro confuso deixou a desejar, a entrega do Troféu – considerado pelos organizadores o “Oscar da comunidade negra” – reuniu artistas, personalidades da música, do teatro, da televisão e do mundo dos esportes e foi aberto pela cantora Margareth Menezes que cantou o Hino Nacional.

Com a ausência da âncora da TV Record, Ana Paula Padrão, que havia sido anunciada, a apresentadora Joyce Ribeiro, o ex-atleta Robson Caetano e o ator Érico Brás, o Jurandir de Tapas & Beijos, se encarregaram de fazer as vezes de mestres de cerimônias.

Ao longo de quase três horas passaram pelo palco da Sala S. Paulo Luiz Melodia, cantando o clássico Negro Gato e Jair Rodrigues homenageando Cartola, Vanessa Jackson, interpretando Michael Jackson (os melhores momentos do show), Roberta Miranda e Sandra de Sá.

Também foram homenageados Cacau Protássio, a Zezé da novela Avenida Brasil, o garoto Jean Paulo Campos, o Cirilo da novela Carrossel, do SBT, a jornalista Glória Maria, da TV Globo, o gari Sorriso vestindo o uniforme da Prefeitura com o qual desfile na Marquês de Sapucaí, no Rio, e os medalhistas olímpicos, Fofão, Fabiana e Anderson.

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF) dedicou o seu Troféu ao colega, Joaquim Barbosa, relator do caso mensalão, que nesta quinta-feira (22/11) se tornará o primeiro negro a assumir a presidência da mais alta Corte do país. Também foi homenageado com a estatueta, o jornalista Otávio Frias, diretor do jornal Folha de S. Paulo.

A festa para a entrega do Troféu Raça Negra que acontece anualmente tem patrocínio de empresas como a Mercedez, a Ford, a Coca Cola Brasil, a Petrobrás, e de Bancos como o Itaú, Bradesco e Santander.

Foto: Uol Celebridades

Da Redacao