O nome com que foi batizado demarcou a existência e a trajetória luminosas do Dr. Martin Luther King Jr.: religioso, destemido, líder pacifista, majestoso, estadista, eloqüente, revolucionário.
Nascido no sul dos Estados Unidos, em 1929, em pleno auge do famigerado sistema “Jim Crown” (separados mas iguais), filho de um pastor batista, Martin Luther King Jr. recebeu o Nobel da Paz aos 35 anos, sagrando-se o mais jovem laureado pela fundação Prêmio Nobel.
Comprometendo as igrejas com as lutas sociais, organizando boicotes aos transportes públicos, apoiando greves de estudantes e de trabalhadores, liderando passeatas integradas por legiões de negros, brancos, judeus e muçulmanos, pregando a resistência pacífica, difundindo os ensinamentos de Gandhi, Martin Luther King Jr. sacrificou a própria vida em nome da igualdade, da justiça e da paz.
Em resposta aos linchamentos e às atrocidades cometidas pelos integrantes da Ku Klux Klan, Martin Luther King organizou a resistência pacífica, valorizou o diálogo, unificou as lutas de seu povo, pregou a não-violência, convocou negros e brancos para fundarem as bases de uma convivência harmoniosa, baseada no respeito, no espírito de compreensão e na tolerância recíproca.
A Marcha sobre Washington, que em 1963 colocou mais de 200.000 mil pessoas nas ruas da capital norte-americana – ocasião na qual ele proferiu seu mais famoso discurso (I Have a Dream…) – mudou a face e a história política e econômica dos Estados Unidos.
Depois daquele 28 de agosto de 1963, os Estados Unidos da América nunca mais foram os mesmos. O mundo nunca mais foi o mesmo – o sonho de igualdade despertou sonhadores em todas as partes: na África, na Índia, na Europa, nas Américas.
No Brasil, tinha início o regime ditatorial-militar que durante mais de duas décadas empurrou lideranças e movimentos sociais para a clandestinidade, incluindo o Movimento Negro.
Na concepção e prática da luta negra e anti-racista que retoma espaço após a ditadura, lá estavam as lições, o pensamento, o legado político do Reverendo Martin Luther King Jr.
Nos nossos dias, em que se debate intensamente propostas de políticas de promoção da igualdade racial, permanecem vivos e atuais os métodos e postulados do Dr. Martin Luther King Jr.
Os sonhos não envelhecem. Pode-se calar um homem mas não se pode eliminar o vigor e a força de suas idéias, da verdade e da justiça.
Onde houver um ser humano lutando por dignidade, igualdade e justiça lá estará sendo concretizado o sonho do Reverendo Martin Luther King Jr..

Hédio Silva Jr.