Porto Alegre – Em um encontro que reuniu lideranças do movimento social de negras e negros, universitárias e representantes de outras organizações que fazem parte da luta anti-racismo, Maria Mulher – Organização de Mulheres Negras/RS – propôs a construção de um ato público de defesa do Estatuto da Igualdade Racial.
A proposta foi aceita e a mobilização está prevista para as 13h30min desta quinta-feira, 13, no Aeroporto Salgado Filho, por ocasião da chegada do Senador Paulo Paim (PT-RS), autor do projeto do Estatuto, em Porto Alegre.
O ato público chamado por MARIA MULHER visa contrapor os ataques que, nos últimos dias, a política de ações afirmativas e combate ao racismo vem sofrendo, em especial o Estatuto da Igualdade Racial. O encontro foi coordenado por Maria Conceição Lopes Fontoura, professora e Mestra em Educação, militante dos movimentos negro, social, feminista e diretora licenciada de MARIA MULHER.
Na ocasião, ela trouxe a manifestação do Senador Paulo Paim feita, via telefone, minutos antes de a reunião começar, relativa ao noticiário dos jornais do centro do País que divulgaram que o mesmo aceita incluir cotas sociais no Estatuto. Na conversa que manteve com Maria Conceição, o Senador foi categórico em dizer que esta não é a realidade e afirmou “nós, negros, não abrimos mão das cotas raciais”.
No consenso da mobilização no Aeroporto Salgado Filho para esta quinta-feira, os participantes estabeleceram um roteiro de tarefas: ampliar a divulgação do ato público; redação de uma carta de apoio ao Estatuto da Igualdade Racial sem a inclusão do critério social; colher assinaturas, contato com todas as organizações sociais, sindicatos e entidades representativas.

Da Redacao