Brasília – A ministra da Cultura Marta Suplicy, lamentou a perda de Zózimo Bulbul, o cineasta negro morto na quinta-feira, vítima de câncer. “Mas do que ícone do seu tempo, é alguém que rompe paradigmas, faz o novo e por isso se torna conhecido no Brasil e no exterior”, afirmou em Nota Oficial do MINC.

Segundo ela, Bulbul, norme artístico de Jorge da Silva, que iniciou a carreira em 1.960, no Centro Popular de Cultura (CPC), da UNE, “deixa o exemplo de quem sempre quis fazer mais e melhor”. “E fez”, conclui a ministra na Nota.

Para o cineasta Cacá Diegues, que dirigiu Bulbul em “Ganga Zumba”, de 1.963, o diretor morto não era só um ator de qualidade “mas um ícone e líder do movimento negro”. “Tinha uma capacidade imensa de agregar pessoas em torno dele. Fará falta porque tinha um papel artístico e político muito importante”, concluiu Diegues.

O corpo de Zózimo Bulbul está sendo velado na Câmara Municipal e o sepultamento está marcado para as 12h desta sexta-feira, no Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, no Rio.

Da Redacao