S. Paulo – A reportagem produzida e postada em Afropress na última quarta-feira (13/08), com a denúncia da violência de caráter racista sofrida pelo funcionário da USP, Januário Alves de Santana, 39 anos, foi a manchete dos principais telejornais – inclusive do Jornal Nacional da Rede Globo. Também o Jornal do SBT Noite, e a TV Record, produziram matérias sobre o caso, com entrevistas com Santana. A matéria da Record vai ao ar nesta quinta-feira pela manhã no Fala Brasil.
Veja a matéria do Jornal Nacional
https://www.afropress.com/tvAfropressVer.asp?idMovie=61
No jornalismo impresso a matéria foi destaque no Jornal O Estado de S. Paulo, S. Paulo Agora, do Grupo Folha, e repercutiu na Folha Online, e nos portais Terra e Uol da na Internet.
Barbárie
O funcionário da USP foi espancado barbaramente na noite de 07 de agosto passado, quando foi tomado por suspeito do roubo de seu próprio carro – um EcoSport da Ford – diante de um alarme falso de assalto na loja do Carrefour da Avenida dos Autonomistas em Osasco. Enquanto era espancado por cerca de cinco seguranças do hipermercado, a mulher, um filho de cinco anos, uma irmã e um cunhado, faziam compras na loja, sem saber do que ocorria.
A violência só parou com a chegada de uma viatura que também o tomou por suspeito por ser negro e ter aparência humilde. “”Você tem cara de que tem pelo menos três passagens. Pode falar. Não nega. Confessa, que não tem problema”, disse um dos policiais que atendeu a ocorrência.
Depoimento
Na próxima terça-feira, 25/08, Santana prestará depoimento na 9º Distrito Policial de Osasco, conforme ficou acertado em contato mantido pelos advogados Silvio Luiz de Almeida e Dojival Vieira com a delegada Rosângela Máximo da Silva. O depoimento está marcado para as 15h.
Os advogados acompanharão o Inquérito Policial – que tem prazo de 30 dias para ser concluído, prorrogável por mais 30. Concluída investigação será encaminhado Relatório ao Ministério Público para oferecimento da denúncia. Uma das providências que será solicitada a delegada que preside a investigação será a requisição das imagens do circuito interno de segurança do Carrefour, bem como a relação dos seguranças em serviço na noite e madrugada de sexta-feira, dia 07/08.
Também será feito contato com o Comando Geral da Polícia Militar para que colabore com as investigações. O Comando da PM, por meio de Nota, informou ter instaurado um procedimento para apurar as denúncias contra os policiais militares. Segundo a Nota do Comando da PM, a corporação não compactua com nenhum tipo de discriminação”.
Paralelamente ao acompanhamento do Inquérito os advogados já começaram a trabalhar no preparo de duas ações de Indenização por dano moral que deverão ser protocoladas – uma contra o Carrefour e outra com o Estado.

Da Redacao