S. Paulo – A ministra Matilde Ribeiro, da Seppir, recebeu nesta quarta-feira pela manhã, durante o evento “Diálogo sobre Diversidade nas Empresas”, no Museu Afro-Brasil, um kit do Selo Diversidade no Trabalho – Cidade de S. Paulo – iniciativa da Prefeitura, instituída pelo decreto 47.911/06, com o objetivo de estimular a superação e o combate à discriminação de gênero e de raça no mercado de trabalho. O Selo está em sua primeira edição e, em março passado, foi entregue a 39 empresas e instituições públicas, privadas, entidades sindicais e organizações do terceiro setor.
O kit do Selo – composto por uma camiseta, botons, folders e o estudo “Desigualdade de Gênero e Raça/Cor, no Mercado de Trabalho de S. Paulo, produzido pela Fundação Seade a pedido da Secretaria do Trabalho – foi entregue pelo presidente da Comissão Intersecretarial da Diversidade – Cim-Diversidade, da Secretaria, jornalista Dojival Vieira. Ele sugeriu a ministra que o ‘Diálogo” seja amplo, sem viés partidário, de modo a incorporar as iniciativas institucionais existentes como o Selo da Diversidade.
O jornalista também entregou o kit as seis empresas convidadas pela ministra para o Diálogo, quatro multinacionais – Basf, IBM, Faber Castell, Wolkswagen – e duas nacionais – a CPFL e a Camisarias Colombo. Também foi entregue um kit a Manuel Campos, conselheiro social da Embaixada da República Federal da Alemanha, no Brasil.
O primeiro painel do evento “Por que diversidade nas empresas?” teve a presença do Instituto Ethos, da OIT, da Coordenadoria Especial de Assuntos da População Negra (CONE), do Inspir e do presidente do Sindicato dos Comerciários Ricardo Patah.
O encontro acabou não marcando a assinatura do documento solene relativo à campanha da Diversidade nas empresas, conforme estava previsto. A ministra teve que se antecipar para não perder um vôo o debate acabou se estendendo até o início da tarde.
Na exposição feitas pelas empresas, Osvaldo Nascimento, da IBM, Irineu Máximo Diniz, da Fáber Castel, Henrique Lian, da CPFL, e Ana Lúcia Suzuki, da Basf, destacaram os esforços em favor da diversidade.
Antes de se retirar, Matilde falou da agenda de atividades da Seppir relacionadas à diversidade, incluindo a realização da II Conferência da Igualdade Racial, em 2.008 – quando se completam os 120 anos da Abolição da Escravatura – e da retomada do Comitê da Diversidade, que ela pretende que se chame Fórum da Diversidade, prevista para junho. A proposta da Seppir é que neste Comitê, ou Fórum, estejam reunidas todas as iniciativas neste campo.

Da Redacao