S. Paulo – O Curso de Administração da Universidade Zumbi dos Palmares ainda não foi reconhecido pelo Ministério da Educação, ao contrário do que afirmou a diretora de Comunicação da instituição, Francisca Rodrigues, ao justificar o atraso na emissão dos diplomas da primeira turma. A formatura da turma aconteceu no dia 13 de março do ano passado, numa mega festa no Ginásio do Ibirapuera, com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do governador José Serra, entre outras autoridades da República.
A coordenadora de Comunicação e Atendimento à Imprensa do Ministério da Educação, Luciana Yonekawa, informou à Afropress que o reconhecimento do Curso está “em fase de finalização” e a portaria nesse sentido está sendo preparada pela Secretaria de Educação Superior do MEC e deve ser conhecida “em breve”.
Só de posse da Portaria com o reconhecimento do Curso, é que a direção da Unipalmares poderá providenciar a expedição dos diplomas aos 126 alunos formandos.
Descontentamento
O atraso na emissão dos diplomas está provocando a revolta dos formandos, alguns dos quais alegam estarem sendo prejudicados e acusam a direção da Unipalmares – inclusive o reitor José Vicente – de falta de transparência. Ao ser procurado para falar do caso, em dezembro passado, Vicente desligou o telefone e não mais retornou.
Posteriormente, em Nota à Afropress, a diretora Francisca Rodrigues, pretendeu rebater as informações contidas na reportagem “Um ano depois, alunos da Palmares não viram cor do diploma”, de 04 de janeiro, e a pretexto de desmentir a presidente da Comissão de Formatura , Sonia Maria Rodrigues, que ameaça ir à Justiça, afirmou não haver problema. “A Faculdade Zumbi dos Palmares encontra-se em situação regular perante todos os órgãos referentes, é devidamente credenciada e seu Curso de Administração – em questão – é Autorizado e Reconhecido pelo Ministério da Educação”, disse Rodrigues.
A presidente da Comissão de Formatura, à época, levantou a suspeita de que a Unipalmares estivesse com problemas fiscais e contábeis e em situação não regular com órgãos do Governo, o que explicaria o entrave na liberação do documento. Na verdade, o único problema, segundo agora se sabe, seria a falta da portaria de reconhecimento do Curso.
Segundo o MEC, contudo, o não reconhecimento não prejudica os trâmites para liberação dos diplomas. A coordenadora de Atendimento à Imprensa disse que esse procedimento “é de praxe”. “Primeiro o curso tem que pedir o credenciamento junto ao MEC. Saindo o credenciamento, sai a autorização. Geralmente no meio do curso da primeira turma, eles pedem o reconhecimento e o MEC faz a avaliação se concede ou não. Às vezes demora um pouco mesmo”, afirmou.
O MEC também informou que a Unipalmares ainda não participou do Enade porque, como a avaliação funciona em ciclos, ainda não foram avaliados os Cursos de Administração.

Da Redacao