S. Paulo – O Memorial da América Latina, na Barra Funda, transformou-se desde a manhã desta sexta-feira (15/11) num enorme quilombo negro com a abertura da 1ª Flink –Sampa, a Festa do conhecimento, da literatura e cultura negra, promovida pela Faculdade Zumbi dos Palmares e a ONG Afrobras.

A Festa, idealizada pelo reitor José Vicente e que tem como patrono o poeta negro, Cruz e Sousa, considerado o pai do simbolismo no Brasil, foi aberta pela manhã com a presença de lideranças negras e autoridades, inclusive estrangeiras, entre as quais, Irene Neto, angolana filha de Agostinho Neto, médico, um dos líderes da independência de Angola e seu primeiro presidente. Ela é deputada pelo Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA).

Irene (foto) destacou que a Flink-Sampa “é uma aposta positiva e um exemplo caro de política social que surge para resolver ações pendentes para a sociedade afrodescendente”. Também o ex-ministro das Relações Exteriores no Governo Fernando Henrique, Celso Lafer, atual presidente da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de S. Paulo), esteve presente na abertura e assinalou que a Festa “possibilita a ampliação de conhecimento, diversidade e multiplicidade”.

Bom início

No final do dia acompanhando a saída dos palestrantes, que participaram das várias mesas de debates, e o movimento das barracas de artesanato comida, e o palco onde grupos musicais se preparavam para apresentações, o reitor se disse cansado, mas feliz. “Foi um bom início para uma nova relação. É da essência do trabalho as dificuldades para que possamos fazer os ajustes”, afirmou, minimizando os problemas de organização (junção de mesas de debates e atrasos de até duas horas), o que fez com que o rabino Henry Sobel, convidado para uma das mesas, tivesse de desistir.

A Flink-Sampa reúne os principais nomes negros da literatura brasileira, como Nei Lopes, Joel Rufino, Ana Maria Gonçalves e Paulo Lins (foto)tem apoio dos Governos de S. Paulo, do Governo e de grandes empredsas como a Coca-Cola e Natura, continua neste sabádo e vai até amanhã (17/11), quando será encerrada com a cerimônia de entrega do Troféu Raça Negra. O homenageado será o cantor Emílio Santiago, morto este ano.

 

Ainda neste sábado haverá apresentações musicais, shows, debates e painéis, entre os quais um sobre Mídias Étnicas, com a participação do Editor da Revista Raça, Maurício Pestana, de Renê Silva, editor do Jornal Voz das Comunidades e do jornalista Dojival Vieira, editor de Afropress, das 19h às 20hs, na Praça Cívica, Espaço Circo do Memorial da América LatinaO jornalista também participa neste domingo, das 12h às 13h, de um debate com estudantes na Tenda Makeda Cultural, das 12h às 13h.

 

Da Redacao