Brasília – A ministra da Igualdade Racial, Luiza Bairros (foto), resolveu escolher como parceiro da “campanha Igualdade Racial é prá valer”, o presidente do Senado, senador José Sarney (PMDB/Amapá). ‘”Nós não esperávamos outra coisa. O senador tem tido ao longo de sua vida política uma ligação com essa questão racial”, elogiou.
Durante o encontro, enquanto posavam para fotos, Sarney destacou ser a Fundação Palmares, “o primeiro e mais importante órgão federal para as questões raciais brasileiras”, por ter sido criada durante o tempo em que exerceu a Presidência da República, em virtude da morte de Tancredo Neves.
Bairros, na condição de ministra chefe da SEPPIR, vinculada a Presidência da República e que tem como missão estabelecer, coordenar e acompanhar todas as políticas e ações de enfrentamento e de promoção da igualdade racial, de todos os ministérios, inclusive da Fundação Palmares, silenciou.
O registro de Sarney, destacado no Portal e nos demais órgãos de comunicação do Senado, provocou protesto de militantes negros como Paulo César Pereira de Oliveira, mestre de cultura popular e fundador e mantenedor do Centro Cultural Orùnmilá, de Ribeirão Preto. “Além da descortesia é uma ignorância hierarquizar a importância de dois órgãos do mesmo Governo, só por que um deles foi criado pelo atual presidente do Senado”, destacou.
Oliveira mandou carta ao Presidente do Senado protestando. Leia na íntegra.
Ao Senhor Senador José Sarney,
À Secretaria de Imprensa da Presidência do Senado,
Lendo a notícia ‘Campanha “Igualdade Racial é pra Valer” tem apoio de Sarney’, no Portal do Senado, fui surpreendido com a seguinte informação “A Fundação Palmares é o primeiro e mais importante órgão do governo federal para as questões raciais brasileiras”.
A Fundação Palmares é uma vinculada do Ministério da Cultura, voltada para a salvaguarda, registro e promoção da cultura afro-brasileira, o que não é tarefa pequena, com certeza.
Mas, sem querer desmerecer a Fundação Palmares, cujo nome certamente está incrustado indelevelmente na história do povo negro e do país, é um acinte e até uma falta de respeito colocá-lo como “o mais importante órgão do governo federal para as questões raciais brasileiras”, ainda mais numa matéria que trata de uma reunião do senador com a senhora Luiza Bairros, ministra-chefe de Estado da SEPPIR, Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, ministério vinculado à Presidência da República, cuja missão é estabelecer, coordenar e acompanhar todas políticas e ações de enfrentamento ao racismo e de promoção da igualdade racial, de todos os ministérios e órgãos do governo federal, inclusive aquelas desenvolvidas pela Palmares.
Sem contar a ignorância que é hierarquizar a importância de dois órgãos do mesmo governo, só por que um deles foi criado pelo atual presidente do Senado.
Paulo César Pereira de Oliveira (mestre de cultura popular; fundador e mantenedor do Centro Cultural Orùnmilá)
.

Da Redacao