Alcâncatara/MA – O ministro da Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial, deputado Edson Santos, estará nesta sexta-feira (17/07) em Alcântara, Maranhão, município que reúne 110 comunidades remanescentes de quilombos que passaram a ter suas terras contestadas com a decisão do Ministério da Aeronáutica, nos anos 80, de instalar a Base Espacial de lançamento de foguetes.
As 110 comunidades totalizam 3.500 famílias que vivem em situação de insegurança por conta da ameaça de expansão do Programa Espacial Brasileiro.
Embora em 2008 o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) tenha reconhecido o direito dos quilombolas e delimitado a área de aproximadamente 78 mil hectares, os moradores ainda aguardam a emissão dos títulos de posse coletiva das terras ancestralmente ocupadas. Esta é a principal reivindicação das comunidades, que cobram ainda a continuidade das ações sociais do Governo Federal programadas para a região.
Desde que o Ministério da Aeronáutica decidiu instalar a Base de lançamento de foguetes, várias famílias foram deslocadas de suas terras de origem e assentadas em agrovilas – em áreas que não apresentam condições adequadas para a manutenção dos modos de vida tradicionais, baseados na pesca e na agricultura.
Pelas condições de localização o lançamento de foguetes espaciais em Alcântara tem um custo 50% menor do que em qualquer outro lugar do Planeta. Esta é a segunda vez que o ministro chefe da Seppir vai à Alcântara. Na agenda, que começa às 08h30 estão previstos encontros com lideranças dos povoados de Mamuna, Baracatatiuia e da Agrovila Marudá.

Da Redacao