Detroit/EUA – Rosa Lee Parks – a mulher que disse “Não”, negando-se a ceder seu lugar no ônibus a um homem branco em 1.955 – desencadeando o movimento dos Direitos Civis, que abalou a América – morreu nesta terça-feira, 25/10, dormindo em sua casa em Detroit, cercada de amigos e familiares.
O “Não” de Rosa Parks, uma humilde costureira de Montgomery então com 42 anos, desencadeou o movimento para acabar com a segregação racial nos Estados Unidos. Na época, os negros eram segregados e não podiam sentar em lugares ocupados por brancos.
Presa, a resposta da população negra não tardou. Os negros passaram a boicotar os ônibus de Montgomery, Alabama, durante um ano. Mais de 50 mil negros em Montgomery se reuniram para protestar por seus direitos. O movimento de boicote aos ônibus foi liderado por um então jovem pastor foi o estopim para o início de um movimento de não violência e pelos direitos civis que acabou impondo mudanças nas leis locais, estadual e federal em favor dos negros americanos. Seu nome: Martin Luther King.
A saúde de Rosa Parks vinha se deteriorando nos últimos anos desde a década de 90, o que acabou fazendo com que ela se recolhesse, deixando de dar entrevistas. Uma das últimas declarações em 1.995 foi: “Gostaria que as pessoas dissessem que sou uma pessoa que sempre quis ser livre e que queria isso não apenas para mim; a liberdade é para todos os seres humanos”, afirmou.

Da Redacao