Porto Alegre/RS – Morreu na manhã desta terça-feira (12/07), vítima de um câncer de pulmão, a ex-ministra da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), Luiza Bairros. Bairros tinha 63 anos e lutava contra a doença há cerca de três meses. Ela ocupou a SEPPIR no período entre 2011 e 2014. O enterro deve acontecer nesta quarta-feira (13/07), na capital gaúcha, onde o corpo está sendo velado.

Na sua gestão à frente da SEPPIR, foi criado o Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), com o objetivo de implementar políticas públicas voltadas a proporcionar à população negra igualdade de oportunidade e instâncias de combate á discriminação e a intolerância.

A morte da ex-ministra foi lamentada por lideranças do movimento negro. O professor Hélio Santos disse na sua rede social. “Estamos empobrecidos sem Luiza. Não há uma só área em que ela não tenha se destacado. Ativista fundadora e organizadora da luta contra o racismo. Teórica e intelectual adiante de sua época. Gestora pública, num país sem acúmulo nesse campo, o que tornou sua atuação precursora muito mais difícil. Feminista negra exemplar. Rigorosa quanto a desempenhos, mas generosa com os seus amigos. Sofro menos que muitos dos nossos, pois sei que a morte não interrompe a vida. Paz guerreira do bom combate. O mais justo deste País”, afirmou Santos.

Legado

Por sua vez, a Coordenadora de Políticas para as Populações Negra e Indígena do Estado de S. Paulo, professora Elisa Lucas Rodrigues destacou o exemplo que a ex-ministra deixará para futuras gerações: “Parte para outro plano, deixando um grande legado de luta e ensinamentos,  ministra Luiza Bairros. Que sua alma descanse em paz, com a certeza de ter cumprido a missão dos fortes, daqueles que tomam para sí a missão de conduzir e ensinar. Perde a Comunidade Negra, perdem as Mulheres Negras, perde o povo brasileiro, mas fica o exemplo para as futuras gerações”, assinalou.

A presidente afastada, Dilma Rousseff escreveu na sua rede social: “Luiza foi uma incansável militante da causa negra e da democracia brasileira. Sua obra permanecee viva e continua sendo um símbolo da luta contra o preconceito e em favor das melhores causas da vida política nacional”, escreveu Dilma na nota em que lamenta a morte de sua ex-ministra.

Carreira acadêmica

Nascida em Porto Alegre, Bairros formou-se em Administração Pública pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e era doutora em Sociologia pela Universidade de Michigan (EUA). Entre 2001 e 2005, trabalhou em programas da Organização das Nações Unidas (ONU) contra o racismo.

A partir de 1.979 fixou residência em Salvador, na Bahia, e se tornou um dos principais nomes do Movimento Negro Unificado (MNU).

Em nota, a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), atualmente vinculada ao Ministério da Justiça e Cidadania, lamentou a morte da ex-ministra.

"Também em sua gestão a frente da Seppir ocorreu a efetivação de políticas de ações afirmativas. Uma delas, estabelecida pela Lei n° 12.711/2012, garantiu o acesso ao ensino superior a mais de 150 mil estudantes negros em todo o país. As universidades públicas federais e os institutos federais de educação superior ganharam em diversidade e em qualidade, com destaque para as boas notas dos alunos cotistas e o baixo índice de desistência dos cursos frequentados por estes alunos", diz o comunicado.

Repercusão na Bahia

Por meio de nota, a Secretaria da Cultura da Bahia também lamentou a morte de Luiza. O texto cita uma declaração do titular da pasta, Jorge Portugal, que considera a ex-ministra "uma mulher aguerrida, dedicada às causas sociais". "Luiza nunca mediu esforços para transformar o Brasil num país melhor para todos, sempre com o olhar destemido e certeiro como uma flecha", acrescenta o secretário estadual.

Leia a nota na íntegra:


A Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) e suas unidades vinculadas – Fundação Cultural do Estado da Bahia, Fundação Pedro Calmon e Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia –  lamentam a morte da ex-ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) Luiza Bairros, aos 63 anos, na manhã desta terça-feira (12), em Porto Alegre. Ela lutava contra um câncer de pulmão. A SecultBA transmite o seu pesar aos familiares e amigos.

"Uma amiga querida, uma mulher aguerrida, dedicada às causas sociais. Luiza nunca mediu esforços para transformar o Brasil num país melhor para todos, sempre com o olhar destemido e certeiro como uma flecha", declarou o secretário de Cultura, Jorge Portugal.

Gaúcha, Luiza construiu o seu histórico de militância negra e feminista na Bahia e era radicada em Salvador desde 1979. Formada em administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com mestrado em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia e doutorado em Sociologia pela Universidade de Michigan, Luiza ocupou a cadeira de ministra do governo de Dilma Rousseff entre os anos de 2011 e 2014.

Da Redacao