S. Paulo – O Ministério Público de S. Paulo acaba de criar o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, com caráter executivo e que terá como tarefa encaminhar as reivindicações da população negra por inclusão social nas mais variadas áreas – da Educação ao Mercado de Trabalho.
A decisão foi tomada pelo Órgão Especial composto por 42 dos 202 procuradores que formam o Colégio de Procuradores de Justiça do Ministério Público do Estado, em reunião do órgão esta semana e a ata deve ser publicada, entre esta sexta-feira e sábado, no Diário Oficial. Depois da publicação, o procurador geral Rodrigo Pinho, designará três procuradores para comandar o novo Grupo de Atuação Especial.
A criação do Grupo Especial, que deverá dar novo impulso às ações do Ministério Público relacionadas à medidas de inclusão da população negra, é o resultado de uma articulação que vem sendo costurada há alguns meses, a partir da Coordenação de Apoio às Ações Afirmativas, que até há pouco, vinha sendo comandada pelo promotor Antonio Ozório Leme Barros.
Antonio Ozório foi o responsável pela minuta do Grupo Especial, que depois de discutida pelo órgão especial do Colégio de Procuradores, foi encaminhada ao procurador geral Rodrigo Pinho com algumas emendas e aprovada por unanimidade.
O novo Grupo de Atuação especial terá caráter executivo podendo mover ações tanto na esfera cível quanto na criminal.

Da Redacao