Brasília – O promotor do Ministério Público de Brasília, Marcos Antonio Julião, que denunciou no mês passado, Marcelo Valle Silveira Mello, da Universidade de Brasília (UnB), por crime de racismo, receberá esta semana novo dossiê com as ameaças, inclusive de morte, que foram enviadas aos jornalistas da Afropress e a estudantes da UnB.
As ameaças são assumidas por uma rede racista que atua na Internet em solidariedade ao estudante, o primeiro a ser formalmente acusado e processado criminalmente pela prática desse tipo de crime.
Marcelo tem interrogatório marcado pela Justiça de Brasília para o dia 23 de janeiro de 2.006. Ele é acusado de ser o responsável por sites e mensagens em que agride a população negra e de também ter atacado a Afropress – Agência Afroétnica de Notícias, retirando o site do ar por cerca de 10 dias e causando prejuízos a Agência e ao provedor.
Logo após a denúncia feita pelo MP de Brasília, antecedida de um mandado de busca em que foram apreendidos na casa do estudante computadores e disquetes, jornalistas da Afropress e estudantes da UnB que já o haviam identificado, passaram a sofrer ameaças, inclusive de morte.
O caso já foi entregue ao Ministério Público de S. Paulo, onde o Promotor Eder Segura, do Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), determinou a instauração de inquérito, já aberto pelo Gradi – Grupo de Repressão e Análise aos Delitos de Intolerância da Secretaria de Segurança Pública.
Em Brasília, o estudante Rafael Ayan Ferreira, da UnB, registrou queixa no 2º Distrito Policial do DF, relatando as ameaças que tem recebido por meio de mensagens anônimas na Internet.
Após receber o dossiê, o Promotor Marcos Antonio Julião poderá pedir a prisão preventiva do estudante. Se condenado, Marcelo Valle Silveira Mello – jovem de classe média residente no Plano Piloto em Brasília – poderá pegar de 3 a 5 anos de prisão.

Da Redacao