Limeira – O Ministério Público Federal em Piracicaba (SP) quer a cassação da concessão da Fundação Orlando Zovico, que mantém o canal educativo de televisão em Limeira (interior de SP), por apologia à violência e a discriminação aos negros e desrespeito aos direitos humanos no programa policial A Hora da Verdade. A Ação Civil Pública, nesse sentido, foi proposta esta semana pelo procurador Fausto Kozo Kosaka.
Segundo o procurador, em 28 de janeiro deste ano, o apresentador do Programa, que é líder de audiência na região, Ivann Gomes, ao entrevista um músico negro para um programa de entretenimento fez a seguinte afirmação: “Esse cabelo era pra ter nascido no c*! É muito ruim, cara!”. Na edição do Programa, Gomes usou, de acordo com o procurador, pelo menos mais 11 palavrões.
O programa, no estilo sensacionalista e mundo cão, mostrava cenas de nudez, sexo e violência explícita. Em edição recente, seu apresentador disse que cortaria com facão, os bagos de um homem acusado de abuso sexual.
O fundador da TV Jornal, o empresário Orlando Zovico (na foto à direita) disse que é vitma de “perseguição política”, mas admitiu “escorregões” na atração de sua emissora. Empresário do setor de radiofonia, Zovico é proprietário do Sistema Jornal de Rádio e Televisão, com emissoras de rádio e TV na região de Limeira. Também atua como dirigente da Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e TV (ABERT), sendo diretor eleito para o biênio 2004-2006. Também é dirigente da Associação das Emissoras do Estado de São Paulo, onde foi presidente da diretoria.
ssoras de Rádio e Televisão.
Na ação, o MPF pede também que a União, por meio da Anatel, seja obrigada a fiscalizar a concessão da emissora.

Da Redacao