“Não pode reduzir o Brasil a essa coisa bárbara”, diz Caetano