S. Paulo – “Vamos parar com esse negócio de que só a elite está aqui. Sou negro e pobre e estou pedindo a saída de Dilma”. A Afirmação foi feita a Folha por Fernando Silva, o Fernando Holiday, um dos milhares de manifestantes que participaram neste domingo (15/03) da gigantesca manifestação contra o Governo Dilma e o PT, na avenida Paulista, em S. Paulo.

Os protestos anti-Dilma, anti-governo e anti-PT e contra a corrupção, reuniram multidões em 23 capitais do Brasil e no Distrito Federal.

Segundo a PM, só em S. Paulo foram 1,7 milhões de pessoas que tomaram toda a avenida Paulista e Rua da Consolação durante toda a tarde. Para o DataFolha foram 210 mil pessoas, a maior manifestação desde a campanha das Diretas-Já.

As multidões que tomaram as ruas vestidas com as cores verde e amarela, pediram o fim da corrupção e o impeachment de Dilma. Uma minoria levantou a palavra de ordem de volta do regime militar.

Holiday é filho de mãe ex-funcionária pública aposentada e pai “desaparecido”, mora em Carapicuíba e  é um dos membros do Movimento Brasil Livre. Ele estudou a vida toda em escola pública, ganhou bolsa para cursar filosofia na PUC, porém, não gostou e ainda decidirá o que vai fazer. “Existe um sentimento de que só os ricos querem ela fora. Mas muitos pobres querem. O povo quer”, disse à Folha.

Fora do país

Também fora do país, em cidades como Lisboa, Miami, Buenos Aires e Nova York houve protestos. Segundo Edson Cadette, correspondente de Afropress em Nova York, pelo menos uma centena de brasileiros se reuniu em Union Square, na parte baixa da Ilha de Manhattan, cantaram o Hino Nacional e pediram o fim da corrupção no Brasil e protestar contra o Governo.

Entre os manifestantes estava Fred Correa, cabelereiro do Recife que mora há três anos em Nova Jersey. Revoltado, Correa disse que "o PT está acabando com o Brasil". "Mesmo estando longe temos de defender nosso país", afirmou o cabelereiro.

Outra manifestante, a baiana Ariana Ferreira Foley, que mora há 14 anos em Nova York e trabalha na indústria farmacêutica, estava acompanhada do marido Mark Foley, e mostrava-se indignada com as denúncias de corrupção no Governo.

No meio do protesto uma brasileira foi vista dando entrevista a um repórter manifestando apoio à Dilma, e logo foi assediada e vaiada. Às pressas, a brasileira encerrou a entrevista e saiu por uma entrada do Metrô próxima.

Da Redacao