O bacharel em Direito negro baiano, Jader Santos Alves, 24 anos foi aprovado em primeiro lugar no Concurso para Promotores de Justiça, realizado pelo Ministério Público Estadual da Bahia.
Jader, nascido em Salvador, formado há pouco mais de um ano pela Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia (Ufba), venceu mais de 3 mil candidatos e encabeçou a lista dos 82 aprovados. “Fico lisonjeado com a aprovação, mas também penso em outros negros que não conseguiram chegar onde eu cheguei por falta de oportunidades. Infelizmente, o preconceito e a discriminação ainda existem”, acrescenta o mais novo promotor de Justiça da Bahia.
Ele reconhece que é uma exceção entre os afrodescendentes, pois estudou em colégios particulares, freqüentou cursos de idiomas e mora com a família em um apartamento de classe média no Corredor da Vitória, bairro nobre de Salvador.
Mesmo reconhecendo tratar-se de uma questão polêmica, manifesta-se favorável ao sistema de cotas para negros nas universidades, ação afirmativa que beneficia afrodescendentes que, ao contrário dele, tem pouco ou nenhuma oportunidade de ter acesso a Universidade.
Enquanto recebe cumprimentos dos colegas e da família Jader agora se prepara para trabalhar em uma Comarca no interior do Estado. Como obteve a primeira colocação terá o direito de escolher para onde vai. “Pretendo optar por uma cidade próxima de Salvador, para facilitar o processo de adaptação”, acrescenta.
Aos afrodescendentes que lutam por uma chance de acesso a Universidade o novo promotor da Bahia aconselha aproveitarem os programas governamentais de inclusão social, como o Programa Universidade para Todos (Prouni) e o Faz Universitário, este último da Secretaria de Educação da Bahia. “Recomendo, sobretudo, muita disciplina na hora de estudar. O estudo deve ser encarado como um trabalho, e não como um passatempo”, conclui.
Matéria publicada no Correio da Bahia, com redação da equipe Afropress.

Da Redacao