Brasília – Os negros brasileiros já correspondem a 49,8% da população de acordo com a terceira edição da Pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Na população masculina, porém, já são maioria desde 2.005, representando 51,1% da população contra 48,1% dos brancos. Entre as mulheres há a tendência de crescimento, porém, as negras ainda são minoria – 48,5% contra 50,6% da população branca.
A pesquisa realizada em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres e o Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher (Unifem), com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD 2007), mostra que de 1.993 a 2007, a população negra era 45,1%.
Para os pesquisadores o aumento da população negra no país não é causado por uma maior taxa de natalidade, mas ao auto-reconhecimento das pessoas como negras. A ministra Nilcéa Freire, da Secretaria Especial de Política para as Mulheres, lembrou que a política de cotas tem sido um elemento absolutamente importante para o crescimento dessa auto-afirmação.
A pesquisa também mostrou que apenas 15% dos negros têm plano de saúde, contra 33% dos brancos, e que são de apenas 76% os domicílios chefiados por negros que tem esgotamento sanitário contra 88% dos domicílios chefiados por brancos.

Da Redacao