S. Paulo – O Carnaval é o grande palco da deliciosa mistura entre o Teatro Oficina e a Escola de Samba Nenê de Vila Matilde, duas instituições importantes para a cultura, referências incontestáveis de resistência e atuação no cenário nacional e internacional. O encontro entre o Teatro e o Samba acontece na 'Ala Um Povo Que Sorri'.

A parceria, que completa cinco anos, traz numa ala coreografadatoda a magia e irreverência do Teatro que revolucionou a história das artes cênicas no Brasil e hoje assume a responsabilidade de contar a história de um povo que lutou pela liberdade até as últimas conseqüênciaspor meio do enredo “Moçambique – A Lendária Terra do Baobá Sagrado". 

Para tornar este encontro mais que especial, a Nenê traz como destaques num carro alegórico o Zé Celso, diretor artístico da Associação Teatro Oficina UzynaUzona, e Vera Valdez, atriz da Cia. e conhecida por ser a primeira modelo da Maison (“O Sol da Mason Chanel”), acompanhados pela Céllia Nascimento também atriz da Cia e grande cantora.

Para apimentar esta festa, o Teatro Oficina convoca um ator que sempre se destacou por sua intensidade: Alessandro Ubirajara. O jovem, que também é artista plástico, conquistou o paladar de seus colegas com um talento até então desconhecido pela turma: as comidinhas que ele trazia para o camarim, todas minuciosamente preparadas. Há um ano, resolveu-se que ele teria de ser o artista a comandar o posto de cozinheiro da trupe.

O chef Ubirajara irá oferecer um Jantar de Concentração hoje (13/02) às 23h, com menu contemplado por Ximae Caril de amendoim com galinha (shima ou xima é uma massa de milho cozida com água e sal, alimento forte que salvou da fome muitas famílias em época de guerra ou seca), que servirá cerca de 80 integrantes da ‘Ala Um Povo Que Sorri’.

A escola, uma das mais tradicionais do Samba Paulista, é a "Campeã das Campeãs" com 11 títulos conquistados e traz no currículo o feito de ser a única escola de São Paulo a ter desfilado na Marquês de Sapucaí, no Rio de Janeiro.

A escola vai ao teatro

Os ensaios acontecem desde o dia 8 de janeiro na pista do Teatro Oficina, na quadra da Escola e no palco maior do samba, o Anhembi. Além dos destaques do Oficina, a ala amplia sua diversidade composta por 80 componentes das mais diversas vertentes.

Entre eles podemos citar Márcio Guedes, vendedor e universitário amante do samba; Weber Fonseca, ator e docente em Produção Cultural, apaixonado por todas as manifestações carnavalescas deste país; Carlota Joaquina, atriz cinquentona como ela mesma se intitula, é modelo e manequim, além de mãe e gestante do bloco carnavalesco "Agora vai"; Alexandre Acquiste, ator folião que desde criança vive o carnaval em todas as suas manifestações; Cristiane Proença, professora de arte e atriz, apaixonada componente da Nenê de Vila Matilde; Daniela Baldassarri traz todo o seu alto astral para a ala; Érika Malavazzi, atriz, performer amante das artes e do carnaval; Dyego Oliveira, vem com toda sua alegria e promete incendiar na avenida.

A ala também conta com a participação de LudiDz, um índio artista encantado pelo Teatro e pela magia do carnaval; Liz Luz, mãe e diretora de teatro apaixonada por um bom samba; Eloisa Vilella, atriz amante da rua, do ar livre, logo o carnaval é seu habitat natural; Sandra Maria, que feliz por fazer parte do carnaval e da escola do seu coração; Bruno Moya, estudante de cinema e fotografia e uma grande entusiasta da cultura popular;Max Mu, ator e produtor cultural, e que em seu primeiro desfile traz o seu sorriso para a avenida; Eduardo Silva, ator e diretor embevecido pela Escola de Samba; Raphael Calheiros, aspirante a cineasta e alegre com a mistura do samba com o Oficina; Ellen Vieira, ansiosa pelo momento do desfile para mostrar o seu samba na avenida.

O processo de construção da ala conta com ensaios, encontros musicais e o documentário "25", filme sobre a Revolução de Moçambique realizado por Zé Celso e Celso Lucas em 1975 naquele país.

A produção e direção da ala é de Elisete Jeremias, reconhecida internacionalmente pelo seu trabalho como Diretora de Cena, amante do teatro, da ópera carnavalesca e da escola de samba, uma das responsáveis pelo elo entre a Nenê e o Oficina ao lado de Marcio Telles.

Ao seu lado Victor Gally é o grande parceiro na organização, responsável pela produção executiva e operacional. Por ser uma ala coreografada, Marcio Telles e Uilson Alves são responsáveis pela coreografia e, na encenação, ninguém menos que Marcelo Drummond, grande ator do Oficina. Sob seu comando a ala traz para o sambódromo a essência do Teatro.

Para apresentar tudo que acontece nos ensaios, contamos com o Social Media Eurípedes Fraga,registrandocom seu olhar cênico os momentos que podem ser acompanhados nos canais digitais da ala.

Agora é aguardar a madrugada de hoje para amanhã (14/02) e curtir ao vivo o 'Ala Um Povo Que Sorri' e o encontro do Teatro com o Samba.

Serviço

Ficha Técnica:

Elisete Jeremias – Diretora de Ala

Marcelo Drummond – Encenação

Rodrigo Fidelis, Carlota Joaquina, Camila Mota – Coordenadores de Evolução

Bernardo Cruz – Diretor de Harmonia

Márcio Telles – Diretor Geral de Harmonia e Coreográfo

Uilson Alves – Coreográfo

Magoo – Carnavalesco

Guilherme Godoy, Guilherme Alonso e Felipe Stucchi – Fotógrafos

Victor Gally – Comunicação visual e Designer

Eurípedes Fraga – Social Media

Site: http://alaumpovoquesorri.wix.com/alaoficina

Fanpage: https://www.facebook.com/pages/Ala-Um-povo-que-sorri/1491748441114669

Desfile: Acontece na madrugada do dia 13 para 14 de fevereiro, com concentração marcada para às 23h desta sexta-feira (13/02) na pista do Teatro Oficina.

 

Da Redação, Baobá Comunicação/Patrícia Martins e Pedro SantAnna