Praia Grande/SP – Com a presença de cerca de 150 sindicalistas de 15 Estados da Federação, a União Geral dos Trabalhadores (UGT), a terceira maior central sindical do país, abriu nesta segunda-feira (04/03) na Colônia de Férias do Sindicato dos Comerciários na Praia Grande – cidade da região metropolitana da Baixada Santista -, a I Conferência Nacional de Gênero e Raça.

A Conferência tem como objetivo discutir bandeiras de lutas da central na defesa da inclusão de negros e mulheres no mercado de trabalho.

Na abertura, o secretário de Promoção da Igualdade Racial de S. Paulo (SEPIR), o cantor, apresentador e vereador licenciado do PC do B, Netinho de Paula, anunciou que o projeto de criação da Secretaria prometida pelo prefeito Fernando Haddad será enviado à Câmara na próxima semana. Ele pediu aos dirigentes da UGT que levem a proposta para as bases, na expectativa de que outras prefeituras assumam a criação de Secretarias similares, superando a fase das coordenadorias, esvaziadas e sem orçamento, e com papel apenas simbólico.

“Nós temos a limitação porque é uma Secretaria do município de S. Paulo, mas como ativista, como homem negro de luta, como artista quero levar essas bandeiras para todo o país. A UGT na batalha política, tem ações edificadas e pessoas que a Secretaria quer somar a essa Conferência, para que essas lideranças políticas possam dar voz e outras coordenadorias possam chegar à  Secretaria da Promoção da Igualdade Racial”, afirmou Netinho.

Além de Netinho, participaram da abertura da Conferência, a secretária da Diversidade Humana da UGT, Ana Cristina Duarte, a secretária da Mulher, Cássia Bufelli, o secretário geral, Chiquinho Pereira, representando o presidente Ricardo Patah, o vice-presidente da central, Antonio Salim dos Reis, o secretário de Políticas Públicas, Valdir Vicente, Cleonice Caetano, da Secretaria da Diversidade do Sindicato dos Comerciários e representantes da Secretaria Especial da Mulher e da SEPPIR, ambas ligadas à Presidência da República.

Vicente, o secretário de Políticas Públicas da UGT, ao saudar os presentes admitu que o movimento sindical só há pouco tempo passou a se preocupar com o tema. "O Movimento sindical nunca se preocupou que a sua diretoria não tinha preto, que as chefias das empresas só tinha branco. É importante vermos hoje a discussão da igualdade racial no movimento sindical, porque essa não era bandeira do movimento até pouco tempo", lembrou. 

Mesas

A primeira mesa da conferência – que continua nesta terça (05/03) – discutiu o tema "Discriminação no Mercado de Trabalho – com recorte de Raça", e teve a participação de Eunice Léa, gerente de Projetos de Políticas Afirmativas da SEPPIR, de Elisa Lucas, da Coordenadoria Estadual de políticas para a População Negra e Indígena da Secretaria da Justiça. As intervenções foram comentadas comentadas por Gevanilda Santos, da ONG Soweto e Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN) e Dojival Vieira, jornalista e editor de Afropress.

A secretária da Diversidade da UGT, Ana Cristina Duarte, agradeceu ao presidente Ricardo Patah pela iniciativa da UGT e saudou a parceria com a secretaria da Mulher. “O objetivo da Conferência é que todos os sindicalistas possam construir um documento básico com cláusulas antidiscriminatórias e as que vão sair no decorrer do trabalho”, assinalou.

Política nacional

Para a Secretária Cássia Bufelli, o debate de gênero e raça é fundamental. “Vamos ter a Política Nacional de Diversidade, Gênero e Raça da UGT. Só haverá sociedade igualitária, se fizermos essa construção juntos. É importante a contribuição de cada um para que se faça a diferença e assim ter um mundo melhor para viver. Esse mês de marco é momento de se fazer uma reflexão: qual o meu papel no lugar de decisões? Conquistamos esses espaços? Que instrumentos precisamos para viabilizar?”, afirmou.

Cleonice Caetano Souza, secretária de Saúde e Segurança no Trabalho da UGT, lembrou que quando se fala das mulheres negras, da sexualidade, sabe-se que a dificuldade é muito maior e o movimento sindical tem que estar presente, sair com propostas. “Com essa iniciativa vamos conseguir concretizar por todo o País. Vamos aprender uns com outros. Precisávamos dessa oportunidade. Sucesso é o nosso nome e não podemos fazer diferente a partir dessa 1a Conferência”, enfatizou.

 

Da Redacao