Os que acompanham nossos escritos ao longo dos anos não precisam ter a memória avivada, mas os que estão iniciando ou já se habituando com nossas observações e críticas sobre o cenário político nacional e principalmente sobre os passos rudimentares dos irmãos de raça que se julgam os sábios do metier, vale o lembrete de que em 1988, falamos, escrevemos, afirmamos e reafirmamos que o interesse maior do partido formado no circuito sindicalista do ABC paulista, através de seus dirigentes maiores era e sempre será o de captar o voto da comunidade negra, dando uma banana aos seus filiados negros que se destacaram ou se destacam em seus quadros, no momento em que pretenderam ou pretendem alçar vôos mais altos na disputa de cargos majoritários.
Não podemos ignorar, e aí demonstraríamos uma total imbecilidade, que o atual Presidente que nos governa deu visibilidade política administrativa para a comunidade negra, ao escolher negras e negros, capazes ou não para exercer as funções para as quais foram designados, mas não podemos perder de vista que alguns políticos negros do PT foram fritados politicamente em fogo baixo, com azeite de lamparina e não quiseram se aperceber as manobras urdidas para colocar fim as suas carreiras políticas, ainda que alertados através dos nossos escritos públicos e não por cochichos que só vem à tona depois que o pior já aconteceu.
Cochichos estes que não podem ser confirmados, como aconteceu em 1998, quando alertamos que a nossa irmã Preta Teimosa Benedita da Silva não deveria aceitar a imposição da direção petista para ser candidata a vice-governadora do garoto político Anthony Mateus, jogando numa aventura política ladeira abaixo metade do seu mandato de Senadora da República como representante do Estado do Rio de Janeiro, simplesmente porque o seu partido precisava pagar a fatura política assumida junto ao senhor Leonel de Moura, que entendia ser importante e necessário para ele e o seu PDT, ser candidato a vice-presidente da República do então candidato Luiz Inácio, por ele alcunhado de Sapo Barbudo e que, portanto, o PT/RJ deveria se abster de lançar candidato próprio e apoiar o político de Campos de Goitacazes, do PDT, ao governo do Estado, sepultando definitivamente a emergente e possivelmente candidatura vencedora de Benedita da Silva rumo a Cadeira número 1 do Palácio Guanabara.
Agora, neste ano da graça de 2008, exatamente 10 anos depois, o Presidente de Honra e “vitalício’ do Partido dos Trabalhadores, volta ao cenário político para se manifestar publicamente apresentando uma nova versão do filme desastroso de 1998 para o PT/RJ, agora com novo astro negro no papel principal, o ex-vereador carioca e atual deputado federal Edson Santos, o mais votado do partido para o cargo nas eleições de 2006, acenando com sua possível nomeação para o cargo de Secretário, com “status” de Ministro da SEPPIR, função exercida por Matilde Ribeiro, tirando o parlamentar do cenário político em que desponta com um possível candidato do seu partido para disputar as eleições para Prefeito em outubro próximo.
Mancomunado com um dos partidos de sua base de sustentação do seu discutível governo, o PMDB, confirma o presidente “vitalício” da grei partidária dos trabalhadores sua ogeriza a candidatos negros disputando cargos majoritários, declarando publicamente seu apoio ao cristão novo no PMDB/RJ, o Secretário de Esportes Eduardo Paes, que ainda exibe sua plumagem tucana enrustida, algoz que foi do governo Lula como deputado federal e agora entronizado no ninho peemedebista carioca pelo governador Sérgio Cabral, preocupado que está com as manifestações das bases do partido de Ulysses Guimarães e Teotônio Vilela (pai) que desejam seguir a orientação do Diretório Nacional peemedebista de lançar candidato próprio em todas capitais brasileiras e apóiam o nome emergente e respeitado do cineasta e presidente do SATED/RJ Jorge Coutinho para disputar como candidato a candidato a indicação do nome que será ungido pela legenda como seu candidato a Prefeito do Rio de Janeiro.
O quadro sucessório municipal no Rio de Janeiro se desenrola desta forma para a comunidade política negra e será desenvolvido de acordo com as manobras urdidas pelos comandantes dos palácios Planalto e Guanabara, a menos que haja uma reação contundente contra os desejos dos poderosos do dia.
P.S: Aos desafetos gratuitos fica o lembrete: até o presente momento não estou filiado a qualquer partido político em funcionamento neste Brasil brasileiro.

Antonio Lucio