Brasília – A designação do sacerdote e jornalista Walmir Damasceno, 49 anos, o Taata Kwa Nkisi Katuvanjesi, dirigente do Terreiro Nzo Tumbansi para a chefia da Representação da Fundação Palmares, em S. Paulo, está suspensa com a saída de Elói Ferreira da presidência da autarquia.

Damasceno havia sido convidado pelo próprio Elói na semana passada para assumir a representação em lugar de Nuno Coelho, coordenador licenciado dos Agentes de Pastoral Negros (APNs). Sua nomeação deveria ser publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira.

Nesta quinta-feira, Afropress tentou, sem sucesso, falar com o sacerdote e jornalista, porém, a informação é de que havia viajado à Brasília e ainda não retornara.

Elói, ao confirmar que, a pedido da ministra Marta Suplicy – a quem a autarquia é vinculada -, está demissionário se disse constrangido com a situação. “Eu estou numa situação de constrangimento. Ele [Damasceno] é um quadro da maior estatura, da maior envergadura. Tinha convidado ele por causa do pedido de afastamento do Nuno. Tivemos a oportunidade de encontrar esse quadro da cultura negra, que tem história, tem trabalho. Só posso deixar agora que essa avaliação possa ser feita pelo novo gestor”, afirmou.

Da Redacao