Na minha opinião, manifestada durante a reunião, a atitude foi desnecessária, pois sou conselheiro há 4 anos, e nunca alguém foi proibido de participar das reuniões. Mesmo porque nunca ocorreu tumulto.
A função do Conselho e seus membros é discutir políticas públicas a favor da população negra do estado de São Paulo. Quanto mais contribuições, melhor. Não cabe a comparação com outros organismos como Câmaras de vereadores ou deputados, onde o povo, tem pouco ou nenhum espaço para participar. A idéia inicial sobre a criação dos Conselhos de cidadania, foi ter um canal de comunicação entre governos e movimentos sociais. É um avanço democrático, num país que conviveu muito tempo com períodos de ditaduras militares, onde éramos impedidos de falar.
Perde-se um tempo enorme com este tipo de atitude, e a repercussão arranha a imagem de uma instituição que existe graças a luta de muitas pessoas. A nossa responsabilidade é melhorar este instrumento de participação popular. E aperfeiçoá-lo, é abri-lo para todos.
Por fim, não há restrições legais à participação de conselheiros e no regimento a ser votado, lutarei para que isso não ocorra. Não há argumento sustentável para isto: o conselho não é uma sociedade secreta.
Deixo uma reflexão: imagine se Zumbi restringisse a participação no Quilombo de Palmares? Talvez ainda seríamos escravos. Nossa luta é muito grande para escolhermos quem quer estar colaborando.

Marco Antonio dos Santos