Pois desde que adquirir os primeiros conhecimentos acerca deste movimento, não mais observei, nos meus estudos sobre a história da África e de sua Diáspora, um outro combustível ideológico tão completo, excepcional e extraordinário capaz de tencionar as relações raciais.
O Pan-Africanismo acabou por tornar-se o mais eficiente e eficaz movimento de luta dos povos de ascendência africana do mundo pela liberdade, pois estava assentado no sentimento de solidariedade fraterna entre todos os povos negros que foram vítimas do colonialismo e/ou do racismo europeu. Também, porque o próprio Pan-Africanismo não se constituiu num movimento de mendicância por parte dos negros, mas sim numa busca verdadeira por justiça, onde o povo negro tivesse o mesmo direito de controlar suas vidas como qualquer outra raça.
Embora tenha sido, inicialmente, uma simples manifestação de solidariedade entre negros do Caribe e dos Estados Unidos, que pensavam num movimento único para os povos negros do mundo inteiro, o Pan-Africanismo tornou-se, após a II guerra mundial, um combustível ideológico revolucionário indispensável para os programas políticos adotados por líderes e organizações africanas anti-coloniais, tendo sido significativa sua influência no processo de libertação dos países africanos colonizados.
Assim, tomou dimensões globais. Como principais precursores, temos Marcus Garvey como pai do Pan-Africanismo messiânico e W. E. Du Bois, pai do Pan-Africanismo contemporâneo. O primeiro era favorável a um retorno dos negros à África ou a criação de um estado independente africano no Ocidente para aqueles que não quisessem fazer parte da redenção. Utilizando-se de um discurso extremamente populista, Garvey conseguiu com seu grande carisma arregimentar multidões de negros tanto nos EUA como no Caribe e África.
Enquanto o segundo, W.E. Du Bois, foi o primeiro a defender que a unidade entre os negros americanos e caribenhos com os africanos deveria basear-se na compreensão de que a origem de sua dominação tinha uma raiz comum: o imperialismo. Ainda, dizia Du Bois, que o grande problema do século 20 seria o racismo.
O termo Pan-Africanismo foi cunhado pela primeira vez por Sylvester Willians, advogado negro de Trinidad, por ocasião de uma conferência de intelectuais negros realizada em Londres, em 1900. Willians levantava sua voz contra a expropriação das terras dos negros sul-africanos pelos europeus e conclamava o direito dos negros à sua própria personalidade e autodeterminação.
Apesar da ambigüidade do termo, o Pan-Africanismo pode ser entendido como movimento de solidariedade fraterna dos descendentes, ou ascendentes, do mundo todo, com vistas ao enfrentamento das diversas formas de exploração e descriminação racial. Atualmente, o Pan-Africanismo está presente no campo racial-político e cultural-religioso. Assentando-se nos princípios da solidariedade, unidade, autodeterminação, autonomia, justiça e igualdade. De todos os princípios aludidos acima, o da autodeterminação merece uma atenção especial, porque significa a liberdade propriamente dita, ou seja, o poder do povo negro de dispor do seu próprio destino, sem se sujeitar a dominação de nenhum outro povo.
Neste sentido, fundamento minha proposta com Malcolm X: “São capazes de imaginar o que pode acontecer, o que certamente aconteceria, se todos os povos de origem africana compreendessem algum dia que possuem vínculos de sangue, se compreendessem que todos possuem um objetivo comum… e que não teriam a menor dificuldade em alcançá-lo se se unirem (?)”. E ainda: “fisicamente os afro-descendentes podem permanecer no Ocidente, lutando por seus direitos constitucionais, mas filosófica e culturalmente precisam desesperadamente voltar para África e desenvolver uma unidade ativa na estrutura do Pan-Africanismo.

José Raimundo dos Santos Silva