Washington/EUA – Ao contrário do que acontece no Brasil, em que jornalistas negros e quem se dispõe a trabalhar a comunicação com foco étnico racial, é ignorado pelo Governo e até pelos órgãos que trabalham o tema, o presidente norte-americano Barack Obama, quer facilitar o acesso de negros ao seu governo. Ele convidou 50 editores negros de jornais do país para um encontro na Casa Branca.
Obama deu sua primeira entrevista impressa a revista Black Enterprise, e uma de suas primeiras conversas como presidente foi com um apresentador de rádio negro. Há cerca de uma semana, o presidente norte-americano, ignorou vários jornalistas em uma coletiva de imprensa para responder à Kevin Chappel, editor da Revista Ebony.
“Não vamos conseguir tudo que precisamos. Mas agora podemos ter a certeza de que somos ouvidos”, declarou Bryan Monroe, vice-presidente e diretor editorial das revistas Ebony e Jet. Segundo o Portal Terra, conversar com esses jornalistas facilita a divulgação da mensagem que Obama quer passar ao público negro.
Dois correspondentes
A Black Entertainment Television tem agora dois correspondentes na Casa Branca, e a Essence, revista voltada para mulheres negras, contratou seu primeiro correspondente em Washington. A revista semanal Jet, controlada pela Johnson Publications, tem agora uma nova seção semanal, chamada “Por dentro de Washington”.
Segundo Hazel Trice Edney, editora-chefe do serviço de notícias da associação de editores, raramente repórteres negros ainda são chamados para os informes diários da Casa Branca. Obama teria desafiado uma proibição da administração local – que não permitiu que editores negros fizessem perguntas ou cobrissem o evento.
“Queremos que as pessoas saibam o que estamos fazemos e como as políticas do governo vão impactar suas comunidades”, explicou Corey A. Ealon, novo diretor do presidente para a mídia afro-americana.
Durante o encontro com os 50 editores da Associação Nacional de Editores de Jornal – que representa mais de 200 jornais da imprensa negra americana – Obama afirmou: “a razão pela qual eu e Michele conseguimos fazer o que estamos fazendo é o apoio extraordinário e a consideração de sua cobertura sobre nossas campanhas e atividades, portanto, estou muito agradecido a vocês”.

Da Redacao