Columbia/Carolina do Sul – O senador por Illinois, Barack Obama, deu mais um passo para se tornar o primeiro presidente negro dos EUA, nas eleições americanas de 4 de novembro, vencendo, com folga, a ex-primeira dama e também senadora Hillary Clinton, nas primárias do Partido Democrata na Carolina do Sul. Obama teve o dobro dos votos de Hillary – 55% a 27% -, com o voto decisivo da população negra, que é superior a 50% da população do Estado.
Segundo levantamento feito por institutos de pesquisa, de cada 10 eleitores afro-americanos que compareceram às urnas, oito votaram nele. O ex-senador John Edwards ficou com 18% dos votos.
A vitória representa um impulso em sua candidatura e um importante passo para a Super Terça, no dia 05 de fevereiro, quando 22 Estados votarão para escolher os candidatos dos Partidos Democrata e Republicano. A ex-primeira dama e o marido Bill Clinton, reconheceu a derrota e emitiu nota cumprimentando o senador negro.
Filha de Kennedy
Consciente de que precisa ampliar o apoio entre os brancos, Obama tentou amenizar a tensão racial dos últimos dias, evitando se assumir como o candidato dos afro-americanos, o que poderia prejudicá-lo no resto do país. Apenas 13% da população dos EUA é negra.
“Estive vários dias viajando pelo Estado, e eu não vi uma Carolina do Sul branca e outra negra. Vi uma só Carolina do Sul. Nestas eleições não se trata de escolher segundo a região de cada um, a religião ou o gênero. Não se trata de ricos contra pobres, jovens contra velhos, nem brancos contra negros. Trata-se (de uma batalha) do passado contra o futuro”, afirmou, diante de uma multidão eufórica pela vitória.
Analistas prevêem o favoritismo de Obama também nos demais Estados do Sul, como a Geórgia e Tennessee, onde a maioria da população também é negra.
Logo depois de anunciada a vitória, Caroline Kennedy, filha do ex-presidente Kennedy, em um artigo publicado no The New York Times, intitulado “Um presidente como meu pai”, manifestou apoio público.”Nunca conheci um presidente que me inspirasse como as pessoas me dizem que meu pai as inspirava. Porém, pela primeira vez, acredito que encontramos o homem que poderia ser este presidente, não apenas para mim, mas para uma nova geração de americanos”, escreveu.

Da Redacao