…Movimento Negro "oficial" atrelado ao PT, se cala diante da campanha racista contra Joaquim Barbosa.

Pra quem não sabe: "Uncle Tom" é o personagem-título do romance de Harriet Beecher Stowe, de 1852, "A Cabana do Pai Tomás" ("Uncle Thomas Cabin").

"…A frase "Tio Tom" ("Pai Thomás" ou "Pai João", no Brasil) também se tornou um epíteto para uma pessoa que é servil e excessivamente subserviente às figuras de autoridade reconhecidas, especialmente uma pessoa negra que se comporta de maneira subserviente aos brancos; ou qualquer pessoa reconhecida como um participante na opressão do seu próprio grupo. O epíteto negativo é o resultado de trabalhos posteriores derivadas do romance original". (Fonte Wikipedia). 

"Manda quem pode. Obedece quem tem juízo".

O mais representativo – e célebre – negro do Brasil atual, ministro presidente da mais alta Corte jurídica do país (STF), primeiro negro a exercer semelhante poder, depois de ter liderado com rara firmeza um julgamento memorável que condenou corruptos de mais alta patente, ligados ao partido no governo (PT), é acossado por uma intensa e virulenta campanha de vingança racista perpetrada por militantes e até líderes do partido no governo, a ponto de ser ameaçado de morte e se ver obrigado a se aposentar e abandonar a vida pública.

Sabem o que o Movimento Negro "oficial" do Brasil, conjunto de entidades governamentais ou Ongs, que se dizem mobilizadas na luta contra o racismo fez?

Nada. 

Vergonhosamente não tomaram ainda nenhuma atitude, sequer de desagravo. Acovardadas não fazem quase nenhuma menção ao incidente em suas páginas da Internet e não promovem nenhuma manifestação pública, mesmo retórica contra a campanha, claramente racista sofrida pelo ministro negro, hoje mundialmente reconhecido por sua contribuição à jurisprudência de combate à corrupção e aos chamados "crimes de colarinho branco".

Omissas como avestruzes, estas entidades apenas dão apoio tácito e formal á decisão do ministro de se aposentar, elogiando-o vagamente, sempre tomando o cuidado de não citar de onde partiram as ofensas e ameaças racistas, de morte, que o pressionaram a capitular – ou mesmo omitindo a própria ocorrência delas. Ou seja: protegendo de críticas o partido do governo branco que apóiam, cegamente, a troco sabe-se lá de quê.

Conformadas desde o início, como se o negro célebre fosse apenas um inimigo a ser respeitado e que "já vai tarde", estas entidades apenas se limitam agora a solicitar, tímidamente que o governo petista indique como substituto alguém – não importa quem – também negro para o cargo, sem explicitar que outras qualidades este negro – ou negra – deveria possuir além de ser…negro.

Um Pai João desses aí qualquer, de preferência, serviria, claro.

Ai que vexame, que vergonha desta gente preta ajoelhada, mostrando a bunda para o poder! Para eles, qualquer Pai João submisso serve de Zumbi. Aboletados no saco do governo, a depender deles o racismo se perpetua no Brasil.

Pretos de alma branca, "white faces", atrasos de vida! 

Nos deixam vendidos na praça, fazendo um leilão sórdido de nossas cabeças pretas por aí e ficam, arrogantes e cheios de empáfia a se exibir desfilando com turbantes e batas africanas fake, em reuniões chics, coffee breaks chics, imitando intelectuais brancos em seminários "coxinha", nos quais a pauta é sempre "Igualdade Racial" sim, "Abaixo o Racismo" sim, mas só para nós, os eleitos e para algum inglês aí ver. 

"Primeiro o meu. O resto é do judeu" é a sua regra mater. Militam seguindo a máxima do cowboy gringo: "Comendo eu e meu cavalo, quem quiser pode morrer".

 

O ministro preto, afrontado pelo poder branco, isolado e sem retaguarda, teve que largar o posto, mas este pessoal é que devia pedir pra sair!

Existiria alguma prova mais cabal, inquestionável e constrangedora do alto grau de aparelhamento do movimento social brasileiro por parte do PT e do governo atual do que esta?

Citando o poeta Solano Trindade, assim de repente e de soslaio afirmo: "Não são meus irmãos". Estes aí não me representam! 

Nunca serão!

 

Spírito Santo