Brasília – O senador Paulo Paim (PT-RS), autor do Projeto do Estatuto de Igualdade Racial, que tramita no Congresso desde 1.995, acusou o grupo de intelectuais que se mobiliza pedindo a retirada da matéria de “laranjas”.
“São laranjas de setores conservadores da sociedade brasileira”, acusou Paim, referindo-se ao grupo que nesta quarta-feira esteve reunindo com os presidentes da Câmara Aldo Rebelo, e do Senado, Renan Calheiros. Ele lamentou que a mobilização aconteça justamente quando o projeto está pronto para ser votado.
Enquanto Paim desancava contra o grupo o Rebelo e Calheiros estão divididos sobre o tema. O presidente do Senado, disse ser a favor das ações afirmativas. “Eu sou a favor de que tenhamos uma política pública para reparação de qualquer tipo de preconceito. É inconcebível que no século 21 ainda tenhamos que conviver com essa segregação. Qual é o caminho para resolver isso, temos que discutir mais, abrir esse leque e ouvir todos os segmentos da sociedade”, afirmou.
Já o presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PC do B-AL) revelou-se: disse que é contra as cotas e assumiu a ignorância sobre o tema ao dizer que é contrário a que o país importe outros modelos de combate à desigualdade racial referindo-se a adoção de cotas nos EUA na década de 1.960.
Ocorre que as cotas foram pioneiramente adotadas na Índia, em 1.949, para reparar as injustiças do sistema de castas.

Da Redacao