Para – A Universidade Federal do Pará, por intermédio do Conselho Superior de Ensino e Pesquisa, decidiu reservar 50% das vagas do próximo vestibular para estudantes da escola pública, em todos os cursos oferecidos, por um período de 5 anos.
Do percentual de 50%, 40% das vagas serão destinadas a estudantes auto-declarados negros (pardos e pretos), que tenham cursado integralmente o ensino médio em escola pública.
Para o reitor da UFPA e presidente do Consep, Alex Fiuza de Mello, o Brasil vive um processo de ensaio em que tenta reverter, através de processos artificiais, injustiças sociais históricas. “Particularmente, estou mais feliz porque a decisão utilizou um critério mais universal, a escola pública, cuja maioria dos estudantes é formada por negros e pardos”.
Segundo o reitor, a decisão do Consep dará mais chances ao aluno da escola pública de entrar na universidade e contempla também outra questão social importante, o da renda. “Se o Consep tivesse optado apenas pelo critério étnico-racial, muitos negros, de melhores condições sociais e econômicas, teriam vantagens sobre brancos pobres, de escolas públicas”, avalia o reitor. “A proposta aprovada elimina esse tipo de injustiça”. Atualmente, estudam na UFPA em torno de 43% de alunos oriundos da escola
pública. A decisão do Consep elevará esse percentual para, no mínimo, 50%, podendo até ultrapassar, dependendo do desempenho dos estudantes.
Para Apolinário Alves Filho, do grupo Afro-Amazônico que defendeu uma
proposta especificamente étnico-racial, destinando 20% das vagas para estudantes negros, a decisão do Consep representou um avanço, porém desfigurou em parte a proposta original. “A deliberação do Consep incluiu a escola pública, talvez baseada na perspectiva que uma lei nacional venha na mesma direção.
Segundo a professora Nilma Bentes, da Cedenpa, a adoção de cotas na Universidade do Pará “é uma vitória maiúscula”. “Esta é uma luta tão antiga que mesmo se o percentual ficasse em 10%, já seria uma vitória. Estou absolutamente alegre por estar presente neste momento histórico da UFPA”., afirmou.

Da Redacao