S. Paulo – O coordenador geral da UNEGRO – União de Negros pela Igualdade, historiador Edson França, disse que o questionamento à legitimidade da eleição dos 22 membros da sociedade civil para o Conselho de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra do Estado de S. Paulo, é “uma incoerência dos que estão advogando essa tese”.

Na semana passada, o Coordenador geral dos Agentes de Pastoral Negros (APN´s), jornalista, Nuno Coelho afirmou que entrará com ação na Justiça, alegando que o processo da eleição não foi legítimo. “A Comissão foi muito fechada, sem transparência nenhuma. Foram legitimadas pessoas que não tem nenhuma condição de serem chamadas conselheiras do Estado. Outros nomes de importância ficaram de fora”, afirmou Coelho, atribuindo a presidente do Conselho, professora Elisa Lucas, a responsabilidade pela centralização demasiada do processo.

Incoerência

Segundo França, questionar o processo de escolha do qual participou e colocar em dúvida a legitimidade dos eleitos não é uma atitude justa, nem correta por parte do coordenador dos Agentes de Pastoral Negros. “O Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial (CNPIR) do qual ele [Nuno Coelho] participa também é escolhido por meio de eleição indireta”, afirmou.

A Comissão Eleitoral que elegeu os 22 membros do Conselho para um mandato de quatro anos, foi composto por cinco membros: o ex-subprefeito da Cidade Tiradentes, Arthur Xavier, Antonio Carlos Malachias (Billy), Ângela Cristina da Silva e Maura Rosa de Paula Paz, e o coordenador de Políticas para as Populações Negra e Indígena da Secretaria de Justiça, advogado Antonio Carlos Arruda – todos, simpatizantes ou filiados ao PSDB. Dos quatro, Arruda, foi o único que esteve ausente à reunião em que ocorreu a escolha.

Procurada por Afropress, a presidente do Conselho, Elisa Lucas, não retornou as ligações. A UNEGRO é a corrente política de lideranças negras filiadas ou próximas ao PC do B e Edson França é membro do Comitê Central desse Partido. Entre os 22 membros do Conselho escolhidos pelo colegiado para o novo mandato que vai até 2015, está João Mendes dos Santos, coordenador coordenador da UNEGRO, em S. Paulo, e também militante do Partido.

Da Redacao