Brasília – O Núcleo de Parlamentares Negros do Partido dos Trabalhadores (NUPAN), reagiu nesta quarta-feira (02/05), ao episódio em que o médico Heverton Octacílio de Campos agrediu com ofensas racistas a bilheteira Marina Serafim dos Reis, ao ser impedido de furar a fila da sessão de cinema num shopping de Brasília, no último domingo (29/04).
Em Nota, assinada pela deputada Benedita da Silva, coordenadora do NUPAN, os parlamentares negros do Partido afirmam que “a agressão perpretada pelo médico, cujo histórico já o desabona, representam idéias e ideais de quem não acompanhou o curso da história e de quem não evoluiu como cidadão”.
“A prática de racismo em quaisquer de suas modalidades é expressamente vedada pela Carta da República e pela legislação infraconstitucional. Os motivos de tais ações estão associados a uma torpe concepção arcaica de que o valor e as qualidades de uma pessoa podem ser mensurados pela cor de sua pele, o que evidentemente não encontra e não deve encontrar guarida no atual desenvolvimento da sociedade brasileira, mundial e dos Estados democráticos”, afirma a Nota.
Veja na íntegra.
NOTA DE REPÚDIO
(Núcleo de Parlamentares Negras e Negros do Partido dos Trabalhadores – NUPAN)
As Deputadas e Deputados Federais abaixo assinados, integrantes do Núcleo de Parlamentares Negros – NUPAN do Partido dos Trabalhadores – PT, vem através da presente repudiar de forma veemente o covarde crime praticado pelo médico Heverton Octacílio de Campos Menezes contra a cidadã Marina Serafim dos Reis.
Inicialmente nos solidarizamos com a Sra. Marina Serafim dos Reis e nos colocamos à sua disposição para, juntamente com a sociedade brasileira que trilha o caminho do bem e da busca da cidadania, adotar todas as medidas legais que objetivem enfrentar o racismo que ainda viceja na sociedade, na busca da igualdade efetiva, principalmente através da adoção das políticas públicas que promovam e estimulem práticas de enfrentamento à discriminação e à desigualdade, sem deixar de lado a execução das medidas punitivas diante dos crimes perpetrados.
A prática de racismo em quaisquer de suas modalidades é expressamente vedada pela Carta da República e pela legislação infraconstitucional. Os motivos de tais ações estão associados a uma torpe concepção arcaica de que o valor e as qualidades de uma pessoa podem ser mensurados pela cor de sua pele, o que evidentemente não encontra e não deve encontrar guarida no atual desenvolvimento da sociedade brasileira, mundial e dos Estados democráticos.
A agressão perpetrada pelo citado médico, cujo histórico já o desabona, representam idéias e ideais de quem não acompanhou o curso da história e de quem não evoluiu como cidadão.
Por fim, acompanharemos as medidas e providencias que serão adotadas pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Distrito Federal, para a punição do agressor.
Brasília (DF), 02 de maio de 2012
BENEDITA DA SILVA
Deputada Federal – PT/RJ

Da Redacao